domingo, 30 de setembro de 2012

Somos felizes e não sabemos

Desde já aviso que este post é nojento pelo que não aconselho a sua leitura perto de horas de refeição! (a não ser que queiram fazer dieta e precisem de um incentivo)

Hoje vi uma parte do programa Metrópoles no canal Odisseia. Estavam a falar do sistema de esgotos, deram como exemplo o de Londres e o da Cidade do México, e de como era frequente eles entupirem. A solução era, obviamente, desentupir. Mas como? Lá fizeram o favor de nos demonstrar com dois casos reais.
Desceram aos túneis que abarcam os esgotos londrinos e o apresentador do programa fez questão de dizer que o cheiro era nauseabundo, como se pelas imagens não conseguissemos imaginar. Depois mostraram o que estava a obstruir o esgoto: quilos de gordura. Sim, gordura proveniente dos restaurantes que foi retiradacom com a juda de pás e baldes. Já na Cidade do México o cenário era completamente diferente. O esgoto estava a céu aberto e tinha a extensão de kilometros. Tinha lá tudo possível e imaginário. Para desobstruir um mega filtro chamaram um funcionário que mergulhou no imenso rio de esgoto e porcaria, com um fato de mergulhador preso com fita-cola. Dizia o senhor que 2 ou 3 vezes por ano encontrava corpos a bloquear o filtro... coisa "normal" referenciava ele, daquela vez tratara-se somente de uma árvore.

Neste momento sinto-me uma sortuda e acho que o meu emprego é o melhor do mundo. Enquanto me lembrar daquelas imagens darei mais valor ao que tenho que fazer para ganhar a vida porque podia ser pior... Podia passar os dias a mergulhar em merda, e digo, literalmente merda.


1 comentário:

Urso Misha disse...

Penso ter visto também, acho que era costume a cada 2 meses morrer um trabalhador devidos às condições...