sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Planos para o futuro

Na eventualidade de eu engravidar já decidi:

Que mobilia quero para o quarto da criança;
Qual o nome do miúdo, se for rapaz;
Que o berço vai ficar no quarto dele desde o dia 01;
Qual o infantário onde vai ficar, mal eu tenha que retornar ao serviço;
Que me vou chatear com meio mundo porque não quero baptizar a criança;
Que vou amamentar nos primeiros 3 ou 4 meses (se o leite for de qualidade, claro) e que a partir daí o pai da criança (*) vai-se levantar de noite para lhe dar o biberón, dia sim, dia não porque eu também mereço descanso.

(*) pai da criança = aquele ser que nunca quis ter filhos e que agora diz nim, porque está apavorado de medo de não ser um BOM pai, medo de não dar conta do recado, medo de amar incondicionalmente e de dar a vida por outro ser. O mesmo que trata o gato como uma criança, anda com ele ao colo a caçar moscas, levanta-se de madrugada para lhe dar de comer, dorme todo torto e acorda com dores no corpo porque não se pode mexer de noite, senão incomoda o gato que dorme sempre encostado a ele. O mesmo ser que lEva o gato às urgências veterinárias às 22 hrs porque está a tossir devido a uma bola de pêlo na garganta. O mesmo ser que diz ao gato “ pronto, pronto já passou, está aqui a mãe e o pai”, que compra lembranças para o animal sempre que vamos de férias, que não repreende o gato porque “coitadinho do bichinho ele é tão fofinho”.

4 comentários:

S* disse...

Eu acho que vou ter de alterar entre dar peito e biberão, visto que lido muito mal com a falta de descanso.

Morango Azul disse...

Também eu. Ainda por cima estou habituada a dormir tanto... ai sabe tão bem...

Cocó Chanel disse...

Será um pai babado certamente;)

Miú Segunda disse...

Eu nem sequer tentei dar o peito ao segundo bebé e, tal como com a primeira, cresceu lindamente. Este fundamentalismo da amamentação não é para mim.