terça-feira, 9 de abril de 2013

Actualização de informação - é que só me faltava mais esta # 2

Como já disse aqui fui chamada a junta médica.
Estando de gravidez de risco - já consta como deferida na seg. social online- liguei para lá e disseram-me para mandar um fax a explicar a situação e a pedir que me contactassem a dizer se efectivamente tinha que me deslocar lá ou não, porque as grávidas de risco não devem ser chamadas.


Ora, como todos sabemos os nossos serviços públicos fucionam na perfeição...São mesmo uma maravilha... Os funcionários públicos não gostam que se generalize e se critique, todos, mas a verdade é que raramente somos bem antendidos e os nossos problemas arrastam-se por meses...Sendo assim, obviamente que ninguém ligou ao meu fax (mandei com uma semana de antecedência) e tive que me deslocar lá.


A chamada em si é pontual. Estamos dentro do gabinete certa de 3 minutos e sozinhos, não podemos levar acompanhante pois assim os funcionários podem maltratar quem eles quiserem, como quiserem e não há testemunhas.

Ainda não me tinha sentado na cadeira, nem bom dia nem boa tarde, e já me estavam a perguntar a profissão e qual era o meu problema. Quando disse o que se passava passaram-se: ai não pode ser, as grávidas de risco não são chamadas... é porque você não entregou a declaração da médica na seg. social...ao que respondi entreguei e tenho aqui a prova...quando viram o papel mais irritadas ficaram... então é porque o médico não passou a baixa como gravidez de risco... passou, respondi, e está aqui a prova...foi o fim do mundo... super agressivas, parecia que eu estava a ser condenada à morte por ter cometidos crimes horrendos contra a sociedade... depois implicaram com a declaração da médica (cópia porque o original tinha deixado na seg. social) ai e tal quem é esta Elsa  Calado? Não há nada que a identifique aqui...é médica de quê?... ao que respondi o obvio... obstretra" (quem é que seria, o meu psiquiatra querem ver, dah).
Terminaram a dizer que no sistema eu estava com baixa por doença e que enquanto não resolvesse a situação seria continuamente chamada e que por elas era igual eu lá ir ou não.

Devo dizer que fui atendida com muitos maus modos, que me enervaram, que fiquei horas com contracções depois de lá ter saído e que me recuso a meter os pés lá novamente porque os maus tratos são tantos que uma pessoa fica incomodada, e não estou para me stressar por erros de outros. Também não ia psicologicamente praparada para tais ataques, caso contrário tinha-lhes respondido á letra, mas uma pessoa é apanhada de surpresa e até fica entalada. Senti-me uma criminosa a ser repreendida por ter assassinado alguém.

Obviamente a baixa foi renovada e eu pergunto: se em casos obvios de problemas de saúde e erros processuais deles, como o meu caso, eles maltratam assim as pessoas, o que farão a quem tem problemas de saúde mais complicados e discutiveis, nomeadamente problemas psicológicos e pós operatórios, cujas mazelas são dificeis de provar?

Devo ainda referir que eram 2 funcionárias, uma seria médica e a outra não.



5 comentários:

Orquídea Branca disse...

ohpah, há gentinha mesmo reles...deviam morrer todos secos -.-'

agridoce disse...

Compreendo a tua situação e o facto de não te quereres passar da cabeça, porque, relamente, bastou essa cena.

Eu acho (e contra mim falo) que se reclamassemos mais nas situações certas, algumas coisas poderiam mudar.

Anónimo disse...

Nem imaginas o que é viver com uma funcionaria desse departamento da Seg. Social em casa... Queixa-se dos doentes, dos médicos e de tudo o mais com coisas como "Hoje tive tanto trabalho, tive 20 pessoas para atender"; é o cumulo!

Morango Azul disse...

Foi muito mau mesmo.

Carrossel de Linho disse...

a meu ver, deverias reclamar por escrito. fica bem