segunda-feira, 8 de abril de 2013

Coitada da mulher

Foi ao programa da Fátima Lopes um casal que está a comemorar os 50 anos de casado.
Quando a apresentadora perguntou qual o segredo para um casamento tão duradouro o homem respondeu "amor" e a mulher ficou calada.

Ora a senhora estaria a pensar nas doses de paciência que foi preciso ter para aturar um marido e 6 filhos. Segundo ela (que trabalhava na fábrica) chegava a sexta à noite e já não dormia. Passava a noite a lavar e estender roupa, remendar, passar a ferro, enfim, fazer a lida de uma casa para 2 adultos e 6 crianças, sem eletrodomésticos. Só terminava no domingo à noite.
Pois eu digo, é dose sim senhora, os meus parabéns, a ela claro!

Criticaram o facto de hoje em dias as pessoas se separarem... o povo tem a mania de generalizar e lá porque o casamento deles correu "bem" pensam que o dos outros também tem que durar. A esse casal eu dou os parabéns e concordo que "eram outros tempos".

Sim, eram tempos em que as pessoas casavam para a vida, até porque sozinhos, nem um, nem outro, tinham condições de sobreviver. Elas casavam cedo para fugir de pais tiranos e uma corja de irmãos e pensavam que iam ter melhores condições casadas. Na prática iam viver para barracos sem condições, a chover lá dentro e  procriar ao ritmo do término do aleitamento. Eram espancadas pelos maridos que se consideravam seus donos e passavam fome. Mas o que iam fazer? Que alternativas tinham? Era aguentar porque a mentalidade e o dinheiro(falta dele) na altura não dava para mais. O casamento para eles era e é uma forma de ter uma mãezinha que seja criada e ainda possam ir para a cama com ela...ai não se evoluiu muito, reconheço.

Hoje em dia ninguém pode ter 6 filhos. É que agora não podemos ir trabalhar e deixá-los em casa sozinhos ou na rua a brincar, descalços, com os vizinhos. Os "barracos" onde vivemos hoje levam-nos metade do salário e não podemos roubar a eletricidade ali ao poste da câmara. Gostamos que os nossos filhos visitem frequentemente o médico e pagamos vacinas do nosso bolso.
Hoje em dias exigimos mais do que uma sardinha para 8 ao jantar...é temos a mania das grandezas. Também não colocamos os nossos filhos a trabalhar aos 14 anos de idade, ou menos. Sim, são outros tempos.
Hoje em dia as mulheres conseguem-se sustentar sozinhas e não precisam aturar maridos.

Se um casamento feliz dura 50 anos, parabéns. O meu durou só 2 e se me arrependo de algo foi de não ter separado mais cedo. Sois feliz com o casamento? Excelente! Há quem seja feliz com o divórcio!
No fundo, no fundo, o que importa é a felicidade. Sozinhos ou acompanhados.

4 comentários:

Orquídea Branca disse...

exactamente..o que importa mesmo é ser feliz :) e que sejas muito feliz com o pequeno Eduardo, porque esse sim...é para a vida :)

agridoce disse...

"Há quem seja feliz com o divórcio!"

Ora, ora, grande verdade!

A Bomboca Mais Gostosa disse...

Adorei este teu post.
É tudo verdade. Importante é sermos felizes!

Paulo Nunes disse...

Antigamente....bem ou mal as coisas resolviam-se! hoje em dia, se aparecer uma mosca em casa há divorcio. estamos em extremos. O problema é a escolha do parceiro, continuamos a escolher mal e não abrir os olhos para os defeitos que podem implicar no fim de uma relação. E depois, tb exigimos ao parceiro que seja igual a nós, ou seja, que seja a nossa imagem. tudo mal! cada um é como é e mudar uma pessoa não é facil. existem sempre coisas que se podem aperfeiçoar, mas o nosso "core" está la sempre.
Se eu gostar de uma miuda que goste de sair à noite e eu não, vai haver asneirada. Ou ela muda o que é dificil, ou muda temporariamente para ver se me muda o que não acontece, ou a relação acaba por si só porque os gostos são diferentes. logo... nem vale a pena começar! isto é so um exemplo entre centenas!