terça-feira, 23 de abril de 2013

Da amamentação # 2

E então se amamentar fosse um mar de rosas não era necessário haver "cursos" de sensibilização e preparação nos hospitais/maternidades.
Portugal tem uma taxa de aleitamento materno reduzida e o papel das enfermeiras é explicar como o bebé deve pegar na mama e preparar as mães para reconhecerem os primeiros sinais de alerta  e saberem agir atempadamente para impedir obsessos ou mastites.

Então quando o leite sobe é preciso saber libertá-lo para que não encaroce.
É fundamental actuar de imediato e dar a mama ao bebé... o leite tem que sair! Deve-se massajar a mama antes de dar de mamar.

O ideal é que a criança dê vazão ao leite... e o ingira. Mas quando é muito o que devemos fazer é retirá-lo, manualmente ou com bomba, caso contrário vai endurecer a mama, esta fica rija e o leite bloqueia nos ductos (canais que levam o leite até ao bico). E leite bloqueado leva a obsessos, dores e febre. A solução para tratar os obsessos passa por ir ao hospital onde as enfermeiras vão fazer aquilo que não fizemos em casa: vão espremer elas as nossas mamas doridas e sensíveis ao toque. Mas não há alternativa. Depois tomamos um antibiótico compatível com a amamentação e esperar que volte tudo ao normal. Se não se actuar atempadamente o obsesso pode passar a mastite e ai só com cirurgia é que se resolve (ficamos com umas cicatrizes bem bonitas perto das aureolas).

Antes da mamada/recolha devemos colocar panos quentes sobre as mamas ou passar o duche quente para dilaçar o leite...depois recolher ou dar ao bebé e no fim colocar algo frio sobre as mamas. Aconselharam-nos a colocar um saco de ervilhas congeladas em cada mama. (que visão sexy)

Caso o peito ganhe ferida não devemos usar qualquer produto sobre ele, nem vale a pena usar aqueles cremes caros específicos para o efeito. Segundo as enfermeiras eles só ajudam a piorar. O que se deve fazer é, no fim da mamada, espremer um bocadinho de leite e passa-lo sobre o bico e deixar secar ao natural por uns minutos...

Quanto mais se estimula a mama mais leite vai ser produzido. Assim, se se pensa que se tem pouco leite o que temos que fazer é retirar/dar mamar com mais frequência.
O período mais critico são as primeiras semanas em que a mulher tem que se adaptar a esta realidade e o bebé também. Uma boa pega acontece quando a criança abocanha a aureola e o bico, nunca só o bico, e o nariz dele está paralelo com a mama (mas não encostado porque tem que respirar) e o queixo a tocar na mama.

Traduzindo: temos que agir como vacas leiteiras... de X em X horas temos que dar de mamar ou retirar o leite...tal como as vacas... ordenhar, ordenhar, ordenhar...se as mamas não forem bem tratadas ganham obsessos, se os obsessos não forem bem tratados ganhamos masmites... e depois temos que ser operadas às mamas, como as vacas, para retirar o caroço...e ficamos com as mamas retalhadas...(sexy muito sexy). Isto para não falar das gretas e dos bicos em ferida... Mas segundo as enfermeiras não devemos desistir de dar de mamar...

Eu faço intenções de amamentar...se isso for algo natural...se se tornar um tormento não vou insistir... não me vou martirizar. O facto de ter silicone não é impeditivo de nada, mas esta visão de mamas vermelhas, duras, encaroçadas e retalhadas pela mastite, faz-me pensar no meu rico dinheirinho...

1 comentário:

homem sem blogue disse...

Para os homens, amamentar será sempre uma espécie de paraíso.

homem sem blogue
homemsemblogue.blogspot.pt