terça-feira, 2 de abril de 2013

Politicamente incorrecta # 7

Ainda sou do tempo em que com 5 contos (25 euros) se comprava umas sapatilhas, umas calças e se bem esticadinho ainda dava para uma camisolita...na feira claro... que a minha mãe tinha 3 filhas para criar e não era de luxos.

Na altura as colegas de escola usavam calças de ganga Benetton a custar 8 contos (40 euros) e eu usava sapatilhas remendadas... Se morri, não não morri! estou aqui bem grande...se os colegas olhavam para mim de lado...olhavam, eu pertencia ao clube das pobres...se dei um tiro na cabeça?Não, não dei! por isso esta juventude que pare com merdas e se faça à vida, que cresça e aceite as coisas como elas são... Não podemos ser todos iguais e esta moda das depressões juvenis está a criar jovens imaturos, fracos e sem capacidades de reagir às contrariedades da vida...quando chegarem a adultos e virem como a vida custa, não sei como será...

Bulling sempre ouve... na escola eu era chamada de oliva palito, trinca espinhas, tábua e outros por ser magra... pelo meu corpo se ter desenvolvido mais tarde que o das outras miúdas, por não ter peito e por usar roupa da feira - super larga que era para durar vários anos. Se morri? não, não morri? Se fiquei com alguma depressão, não não fiquei. Estou aqui bem grandinha e bonita. Hoje passo por esses colegas de escola e elas são autênticas cachalotes, algumas a desafiarem mesmo as baleias. Eles olham para mim com admiração e duvida de como é que fiquei tão elegante e vistosa.

Esta juventude está habituada a ter tudo de mão beijada e não dá valor a nada.... Mas desconfio que os paizinhos têm alguma culpa no cartório... vivem em competição com os vizinhos... e tentam colmatar a sua ausência com bens materiais.

3 comentários:

Canca disse...

Bom dia

Usando um chavão diria que "a culpa é da sociedade", mas quem é a sociedade se não as pessoas que nela vivem?! Aquelas que se deixam levar demasiado pelas aparências, que superprotegem a crianças, que valorizam os bens materiais que lhe dão em deterimento dos valores, que no fim fazem com que cresçam com valores errados, a achar que é tudo fácil, que só têm direitos, e se as coisas não correm bem, sofrem e entram em depressão. É um ciclo que cabe a nós mudar, os pais de hoje farão os filhos de amanhã...
Ter origens himildes deu-me uma visão da realidade que julgo mais lúcida, mas foi preciso que os meus pais me soubessem incutir os valores correctos, e que eu tivesse a força interior para resistir aos errados, não é fácil, mas quem disse que viver é fácil?

Beijos

uba disse...

Sim, os pais e mães têm muita, muita culpa. Mas nós pais tb somos pais diferentes do que há décadas. Nós mesmos somos bem mais consumistas, bem mais ligados a futilidades do que anteriormente. As crianças crescem a ver os pais agarrados ao tlm ou ao pc ou ao ipad... São facilidades várias. Eu defendo que o que deve ser feito é saber gerir todos estes bens, mostrar-lhes o valor deles, saber o quanto custa tê-los.

Liliana Moreira disse...

Eu tambem pertencia ao grupo das pobres com roupas da feira e na sua maioria,dada por primas mais velhas, mas nunca fui gosada, nem posta de parte por isso, talvez por ser uma aldeia pequena ninguem tem essa manua, o meu primeiro computador eu tive quando qndava no 11° ano e nunca massacrei a minha mae por isso, hoje em dia os miudos estao mesmo muito mal habituados, qualquer coisa ja e motivo para os meninos ficarem traumatisados. Ate enerva. .