quinta-feira, 23 de maio de 2013

Eu não diria melhor


Como dizer isto com suavidade?
O nascimento do segundo aproxima-se. Os preparativos para o parto incluem a programação da agenda de visitas: umas à maternidade, outras já em casa. Eis algumas considerações. O período neonatal compreende os primeiros 28 dias de vida do recém-nascido. É um período crítico, durante o qual o bebé está muito susceptível a infecções. Infecções essas que levarão sempre a hospitalização. Qualquer recém-nascido com febre exige visita hospitalar, para rastreio séptico e, muito provavelmente, internamento em unidade de cuidados neonatais.

Pensem nisto. O recém-nascido viveu os últimos nove meses debaixo de água. Recebeu sempre os nutrientes já digeridos e prontos a consumir. Pelos seus pulmões e pelo seu intestino, só circulava líquido amniótico. Os sons que ouvia eram filtrados pela barriga da mãe, que também o protegia de todas as agressões mecânicas. Todas estas 'regalias', ele perde de um dia para o outro. Este organismo fechado numa 'redoma' terá agora que lidar com ar (mais frio e mais seco, do que ele alguma vez sentiu), com a alimentação oral (leite que terá de digerir e 'partir' em todos as pequenas substâncias que fazem funcionar o corpo), com vírus e bactérias a gravitar à sua volta (a colonizarem-lhe a pele, o intestino, o nariz e a boca), com barulho, com frio, com calor. Passa de 8 para 80, em minutos, o que debilita o seu corpo frágil. Tem de ser o mais protegido possível.

Agora, o lado materno. A gravidez é um processo desgastante para qualquer mulher. Apesar de algumas não se sentirem fatigadas psicologicamente, socialmente e biologicamente o impacto é enorme. Sempre. As últimas semanas são de uma privação ao sono monstruosa. Privação esta que se manterá seguramente durante os primeiros meses de vida da criança. Depois há toda a adaptação do recém-nascido à mãe e da mãe ao recém-nascido. É uma aprendizagem que (dizem-me) é sempre nova. Não há filho igual ao outro. É o 'pegar' na mama (ou tetina), são as cólicas, as fraldas, as manchinhas, o choro por isto, o choro por aquilo, o choro por coisa nenhuma. Enfim, os primeiros dias de vida são difíceis. Bonitos de recordar, mas difíceis de viver.

Se em cima disto tudo, a Mãe tem que fazer boa cara para cumprimentar a prima, o bebé tem que se aperaltar para receber o tio da mãe da amiga, os dois têm que aturar uma sala cheia de gente a contar lugares comuns. O francisquinho nasceu assim, o outro parecia um leitão, a menina comia assado, outra nem por isso. Para além disso, existem patogéneos (vírus, bactérias, fungos) que transportamos inconscientemente nas mãos, nos cílios do nariz, na própria roupa, que entrarão em contacto com o recém-nascido frágil e com poucas defesas. Se existe alguma coisa boa (e acredito que seja das únicas) pelo facto de as famílias viverem mais isoladas, é o facto de poderem se proteger deste tipo de agressões. 

Não me interpretem mal, porque quem tem um blogue gosta de socializar. Não sou excepção. São só 28 dias, para Mãe e bebé se adaptarem convenientemente a esta nova vida. Para mim, e para a maioria dos pediatras com quem trabalhei, é uma imposição médica: as visitas durante o primeiro mês deverão ser espaçadas no tempo e restritas no número de pessoas. Aos primeiros dias, só a família mais próxima. Os outros terão muito tempo para adorar o menino.


http://eosfilhosdosoutros.blogspot.pt/2013/01/como-dizer-isto-com-suavidade.html#comment-form

4 comentários:

Eve disse...

ora nem mais.. emais te digo so kd os gemeos fizeram mes e meio é que fui á terrinha, pois ja sabia k ia haver uma enchente de gente (como foi)

e o mais estupido de todos é ouvir: ai tao giro posso acorda-los?
NNNAAAAOOO custaram a adormecer e querem acordá-los? há gente que não pensa com os poucos neuronios k lhes restam

Uba disse...

Fazes tu muito bem, eu fiz isso mesmo e com conselho do pediatra. Nada de vírus para os recém-nascidos. A família mais, mais, mais chegada!
beijocas

Roger disse...

Tem toda a razão científica. Mas já se sabe que os afectos falam mais alto. Mas a opção dos pais deve ser sempre respeitada

PT disse...

LOL!
E crendices? No outro dia vi num programa de ficção datado no início do século passado no mato, que era estritamente mau um recem nascido receber visitas no 7º dia. Que não deviam deixar ninguém colocar a vista em cima, para não colocar mau olhado.

E eu, que nem sou dessas coisas, achei piada e pelo sim pelo não, a ideia agradou-me. È algo instintivo. algo que se sente. Eu não sei mas também acho que um periodo de adaptação pós-utero é necessário entre mãe e criança. Depois podem vir os restantes.