quinta-feira, 27 de junho de 2013

Realização

Há quem viva realizado profissionalmente. Pessoas que se dedicam de corpo e alma ao trabalho, sem horários, sem descansos, adiando constituição de família ou simplesmente ignorando a que já tem, deixando ao cônjuge a tarefa de criar os filhos sozinho. Muitas destas pessoas agem assim mesmo sendo assalariados...ou seja, nem são os donos da empresa, são simples trabalhadores mas que adoram o que fazem.

Mas o tempo passa, as empresas enriquecem, os filhos ou nem chegam a existir ou já cresceram sem a presença daquele pai/mãe, muitas vezes o divorcio bateu à porta fruta da ausência constante...e a vida segue, dia após dia, até que a idade começa a pesar...chegam os problemas de saúde, depois a velhice e é nesta altura em que se começa a olhar para trás... a ver o que se alcançou... uma vida de trabalho, sucesso, viagens profissionais, mas de casa vazia...sem ninguém para falar, para nos acompanhar ao médico, para se preocupar connosco...Mesmo quem tem filhos sente-se sozinho pois se nunca os acompanhou quando eram novos porque haveriam eles de deixar a sua vidinha agora para acompanhar esse pai/mãe tantas vezes ausente, que na prática se revela um estranho?! E a vida segue, dia após dia, e a solidão aumenta e é inevitável perguntar: para que trabalhei eu tanto? Porque prescindi de tempo com a minha família, ou porque nem sequer tive tempo de a constituir? Mas agora é tarde para este tipo de reflexão...o melhor é ficar com as lembranças de quando se era um profissional realizado e de sucesso e , naquela cama de hospital, dar a mão à carreira porque tanto se lutou, esta sim, a companheira inseparável.

3 comentários:

Orquídea disse...

eu adoro o que faço...mas não penso tanto nisto como em constituir família! Não levo os problemas daqui para casa...quando saio daqui consigo atirar tudo para trás...em casa não há trabalho, não há chatices...

uba disse...

Que horror. Essa não é a minha postura de vida! Para mim a minha família é tudo, o meu marido e o meu filho. E dizer que os amo todos os dias. :)

A Bomboca Mais Gostosa disse...

Pois, definitivamente a realização profissional não é de todo a minha prioridade. Talvez também porque não gosto do que faço. Mas a verdade é que 90% das pessoas que trabalham na minha empresa são exactamente como descreveste.