quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Pensei que era só eu (a extraterrestre) mas afinal enganei-me

Tenho vindo aqui desabafar que não tenho tido tempo para nada.
Já fui criticada por isso como se fosse obrigatório uma mãe de primeira viagem estar sem dormir e ter que andar a cantarolar pelos cantos a mostrar o quanto está feliz. Estou feliz sim senhora! Feliz mas cansada por isso não me peçam para cantarolar, pelos menos enquanto estiver sóbria...
Já fui criticada porque é suposto a habituação ao ritmo de 3 em 3 horas ser algo automático e muito fácil de fazer.
Já fui criticada porque parece que um bebé não dá trabalho nenhum...deve ser fruto da minha imaginação, ou então das três uma: ou têm empregada e amas todos os dias, ou não ligam puto ao filho ou têm memória curta.
Como não sou politicamente correcta tenho a dizer que um filho dá sim senhora muito trabalho! É claro que é trabalho gratificante e é a melhor coisa do mundo, podermos estar horas com o bebé ao colo, vê-lo dormir, acordar, espreguiçar e sorrir. Ajudá-lo quando está aflito com cólicas, observar o seu desenvolvimento ao longo das semanas e vê-lo a fixar e a tentar falar com os seus amiguinhos no mobile. Pensando bem a palavra trabalho está mal empregue...é mais o tempo que parece correr e quando dás por ela já está na hora de fazer outro biberão e esqueceste-te de estender a roupa que estava a lavar porque ficaste a brincar com o menino, a falar com ele ou simplesmente ficaste quietinha para não o acordar visto o maroto só dormir, de dia, ao colo. Não é cuidar do meu filho que custa, é ter uma casa para tratar, refeições para fazer e um gato também para dar atenção, e claro, tu vais ficando para último e olha já são horas de fazer o jantar e ainda não tomaste banho hoje porque não queres deixar o menino sozinho no berço a chorar porque o mimalho só quer colo. Sim, custa-me vê-lo chorar...mas lá está o mal é meu...pelos vistos é suposto deixá-lo berrar até arrebentar os pulmões...

Passeei pelo blog do arrumadinho, que foi pai há um mês, e reparei que afinal o homem também se queixa que não tem tempo para nada. Fiquei mais descansada, afinal não sou nenhum extraterrestre. Mas ele até tem sorte porque fazem turnos para ficar com o bebé de noite. Ora cá em casa o pai da criança não é trabalhador independente e por isso tem horário de trabalho a cumprir, pelo que eu trato do bebé todas as noitinhas em exclusivo...mas também não queria que fosse de outra maneira porque não deixo o meu filho de noite com mais ninguém, que ainda morro de preocupação e saudades dele...mas lá está...isso sou eu que devo ser um extraterrestre...

(E realmente as semanas passam e a coisa vai parecendo mais fácil...)

Aliás os bebés não dão mesmo trabalho nenhum... se calhar é por isso que a minha amiga que teve gémeos teve uma paralisia facial poucas semanas após o parto...deve ter sido de aborrecimento, só pode...é que eles não dão trabalhinho mesmo nenhum...nenhum mesmo...(coitada... não tinha empregada!!!)

7 comentários:

Eve disse...

compreendo-te taaaaaao bem... o meu ex trabalhava por turnos e pouco ou nd ajudava, e eu com gemeos.
querida, adoro bebes, adorava ser mae de outro mas se me dissessem agora k estava gravida axo k tinha um ataque cardiaco. ainda agora c 3anos os gemeos dão trabalho... tao cedo nao quero sequer ouvir falar em bebes o que nao impede de os adorar e de nao tirar da ideia de ser mae novamente (daqui a uns 5/10 anos - quando os meus neuronios estiverem reabilitados)

Lia disse...

Moranguita linda, claro que não é culpa tua andares completamente de rastos (só "critico" o dar-se colo sempre que o bebé chora, porque quer mimo - mas isto sou eu a falar que não tenho filhos... quando tiver, prometo vir confirmar ou desmentir esta minha afirmação :p). E quem acha que tu tens que andar sempre linda e luminosa, manda-os defecar num mato cheio de bichos.

uba disse...

Moça, o que tu fazes é o que TU deves fazer! O que fazes é o que o teu coração diz para fazer. Por isso é o certo para ti, para vocês! Opiniões há muitas e já dizia a Rute Remédios: "As opiniões são como as vaginas, quem quiser dá-las, dá-las.". LOL
Deixa-os falar, deixa-os chamar de ET, deixa-os sentir-se os melhores pais do mundo, deixa tudo e caga neles. PORQUE SÓ TU SENTES! ;)
Força!
E acredita no que te digo porque passou-se o mesmo comigo, e no meu caso, era maminha a toda a hora!, é uma fase e ele ficará mais calmo. Pode demorar um ano, lamento dizê-lo, mas passa e - admira-te!! - vais sentir falta do cheirinho dele, dele querer o teu colinho. FORÇA, mamã! <3

Cat disse...

Naaada, trabalhinho nenhum...para quem tem empregada diária, talvez.

Roger disse...

Não tenho filhos, mas quero muito e inclusive já estive bem perto de ter. E como tal, tenho muita curiosidade e vou lendo muitas coisas, aqui e ali. E uma coisa que já li diversas vezes: os bebés nas primeiras semanas (julgo que primeiras 6 semanas) de vida não têm manhas nem mimo a mais. Têm, isso sim, uma maior necessidade de contacto físico para acalmar.

Estiveram 9 meses na barriga da mãe, protegidos e confortáveis. Quando vêm para o mundo real, tudo é novo e diferente e o choque é grande: a temperatura, os ruídos, as movimentações em torno da criança, a forma de ser alimentada, etc. E como tal, esse período de vida do bebé implica um (ainda maior) carinho especial por parte dos pais, para que se sinta mais protegido. Nessa fase a criança precisa de contacto físico. E se calhar é por isso que o teu Eduardo chora tanto quando perde o contacto físico: porque se calhar ainda está naquela fase em que precisa muito dele.

Seja como for... O pai da criança deve ajudar a mãe nesta fase mais complicada. Confesso que, como homem que quer muito ser pai que sou, custa-me muito ler bloggers a desabafar que sobra tudo para elas. O marido não cozinha? Não dá banho ao bebé? Não ajuda a cuidar dele enquanto a mãe tira um tempo para si (para tomar um banho relaxante e demorado, por exemplo)? E, desculpa se vou ser mal interpretado por ti ou se estou a meter-me onde não devo, mas trabalhar todos trabalham (excepto quem não tem necessidade disso). Isso não pode ser desculpa para o pai não aliviar um bocado a mãe durante a noite.

Mas pronto, isto sou eu, que quando for pai quero fazer parte a 100% da minha vida familiar. Não se trata de ajudar. Essa treta do "ajudar em casa" é para tapar o sol com a peneira. Numa vida em conjunto, não se "ajuda", partilham-se as tarefas e faz-se o que se tem a fazer. Eu tenho mais 2 irmãos, todos rapazes, e lá em casa (actualmente só o mais novo ainda está por lá) todos fazíamos um pouco de tudo e as responsabilidades domésticas eram divididas por 5!

(desculpa o comentário alargado)

Eve disse...

desculpem meter-me em conversa alheia mas.. roger, tens a noção que apenas 5% dos homens pensam como tu? e que é muuuuito dificil saber quem sao eles.. o meu ex antes de ser pai desejava imenso ter filhos e falava de boca cheia que iria ajudar bastante, e aprendia a cozinhar, aprendia a passar a ferro etc etc... quando os putos nasceram viu-se bem que era tudo tanga... não há maneira de saber infelizmente, só passando por elas... desejo realmente que sejas um bom pai e que ajudes tanto nas tarefas, como na educação e mais ainda nas brincadeiras.

Roger disse...

Eve,
Eu sei que o exemplo do teu ex não foi o melhor, mas nem todos os homens são assim.
Pela minha parte, eu SEI passar a ferro e SEI cozinhar +/-. Não sei cozinhar muito, mas o que sei faço bem. Fico-me pelas coisas simples, mas ninguém passa fome ou tem que encomendar pizza.
E de facto, o que escrevi em cima é a minha forma de ver as coisas: não considero que o homem deva ajudar. Defendo, isso sim, que haja uma divisão das responsabilidades. Enquanto um dá banho ao puto, o outro faz o jantar. Enquanto um limpa o quarto, o outro limpa a sala. E por aí fora.
E, btw, a ideia de que as responsabilidades domésticas são da mulher existe cada vez menos, esquece esses 5% ;)

(desculpa a conversa paralela, Morango)