sábado, 30 de novembro de 2013

As maravilhas da maternidade

Depois de ser mãe descobri que dormir e comer são actividades superfulas e um verdadeiro desperdicio de tempo.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Meia

Meia mãe.
É isto que o meu filho tem hoje e terá nos próximos dias.
Estou com gripe e ando de máscara...só se vê os olhinhos... e não posso dar beijinhos à criança.
Só espero não ter começado a usar a máscara tarde demais...se a criança fica doente...ai ai.

Mas fico a pensar: esta é uma das diferença entre homens e mulheres. Um homem ficava de cama e o mundo que se resolvesse...já a mulher tem que aguentar a doença e ainda tratar da criança
...ainda assim...não queria ser homem.

Coisas sobre mim

Em miúda cheguei a desejar a morte do meu pai, tal era o terror em que vivíamos.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Correcto

Busted

"Apanhei-vos a dormir um em cima do outro e fiquei com ciúmes".

Esta foi a sms que o meu marido me mandou hoje de manhã. Assim de repente até pensei que fosse engano mas depois é que refleti. O Eduardo estava com dorzitas de madrugada e eu coloquei-o a dormir sobre o meu peito...adormecemos os dois...e fomos apanhados.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

150 dias

Passaram a correr e assim termina a minha licença de maternidade.

150 dias e noites inesquecíveis nos quais descobri um novo mundo. O mundo do amor profundo, verdadeiro e eterno.
Um mestrado em fraldas e biberões, toneladas de beijos e abraços, sorrisos e lágrimas de alegria.

150 dias passados e chega a nostalgia e a tristeza de regressar ao trabalho que detesto, deixar o Eduardo na creche horas a fio... e chegam as lágrimas de tristeza porque o meu coração fica pequenino como se arrancassem uma parte de mim.

150 dias a pensar como pude viver tantos anos sem ele na minha vida e o reconhecer o quanto esta não tinha sabor, apesar das viagens, dos bons restaurantes, da liberdade, das tardes a descansar... tudo tão dispensável.

Agora seguem-se 15 dias úteis de férias... e depois...depois...logo se vê.

Dúvida culinária

Como já aqui o disse, eu percebo de cozinha a potes (cof,cof,cof).

Estou a pensar fazer lasagna de carne em doses individuais e deparei-me com uma dúvida existêncial e para a qual agradeço sugestões.

Então é assim:

Eu faço a lasagna, levo-a ao forno, deixo arrefecer e congelo

OU

Eu faço a lasagna, não levo ao forno mas sim ao congelador e quando a quiser comer, descongelo e então sim vai ao forno.

Anyone?

Da minha infância

O meu pai tinha uma carpintaria mesmo ao lado de nossa casa, pelo que serrim abundava lá por casa. Passava horas entretida a fazer bolos de serrim com cobertura de terra, sopa de serrim, castelos de serrim, pista para os berlindes em serrim, enfim, era até onde a imaginação me levasse. Até tinha lá no quintal um fogão antigo que não funcionava e até metia a comida de serrim lá dentro a cozinhar.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Teorema de Pitágoras

Pitágoras estava com um problema que não conseguia resolver. Por isso, pouco ou nada parava em casa. A mulher dele, Enusa, aproveitava-se da situação e transava com quatro cadetes do quartel ao lado.

Um dia, Pitágoras, cansado, voltou mais cedo para casa e apanhou Enusa em flagrante orgia. Desesperado, matou os cinco.

Na hora de enterrar os safados, Pitágoras dividiu o seu terreno ao meio. Dum lado enterrou apenas a sua esposa, do outro e em quadrados iguais enterrou os quatro cadetes. Dessa forma os quatro cadetes ocuparam um espaço idêntico ao que ele enterrou a sua esposa.

Subiu então a montanha ao lado do seu terreno para meditar e, olhando de cima para o terreno, achou a solução para o seu problema.

Era óbvio:

O quadrado da Puta Enusa era igual à soma dos quadrados dos cadetes ...

Ora merda ! Se me tivessem ensinado assim, nunca teria esquecido o teorema de Pitágoras !!!

Uma foto minha

Maldivas 2010

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Anyone?

Eu já tinha ouvido falar em queda de cabelo pós parto mas isto é demais...por este ritmo fico careca antes do fim do mês.

Alguém conhece um produto bom e barato?

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Movimento anti pepsi

Imagem colocada no site da PEPSI....

Coitado de quem precisa

A minha amiga teve a filha, de 3 meses, internada vários dias no hospital de S. João. A maior parte do tempo em isolamento.
Conta ela que um dos pais, normalmente a mãe, tem autorização para ficar com o filho 24 hrs por dia. Ora isto não é nenhum favor se considerarmos que:

quem dá de comer à criança é a mãe
quem dá banho à criança é a mãe
quem muda a fralda à criança é a mãe
quem dá a medicação à criança é a mãe

Sendo assim, esse pai/mãe que lá fica retira todo o trabalho ao serviço. Pois sabem como é que o serviço retribui e ajuda a mãe? De maneira nenhuma, pelo contrário. Ninguém fica uns minutos com a criança para a mãe ir comer uma vez por dia ao bar do hospital. Não deixam a mãe ter uma mala de cabine com roupa para trocar. Não deixam a mãe levar o seu esterilizador para que a criança beba o leite nos seus biberões habituais, querem forçar a criança a comer à mesma hora que os outros meninos mesmo que esta faça intervalos maiores entre as refeições. Nem um pequeno almoço oferecem à mãe depois de ela estar horas ali enfiada.

Mais:
Uma criança em isolamento é transportada para outras instalações a fim de efectuar exames em ambulância partilhada com outros doentes, velhos a tossir, etc e tal, ficando exposta a tudo a mais alguma coisa.
Algumas auxiliares tratam as mães abaixo de cão, mesmo em frente aos médicos, e toda a gente acha aquilo normal.

Tendo em conta a quantidade de impostos que pagamos é revoltante.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Facto

Visita o nosso site ╚══► www.humorsemlimites.com

Descanso à yammi

Desde que tenho yammi que todas as semanas fazia um bolinho.

Resultado: engordei.

Acabaram-se as guloseimas, tenho que perder 3 kgs para regressar ao trabalho em grande com os meus antigos 56 kgs que me assentavam muito bem, modéstia à parte, e fazer inveja àquelas más línguas.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Confesso

Já se comentou em vários sítios que há mulheres que depois de serem mães ficam abandalhadas.

Eu confesso: também tenho a minha dose de "descontração".

Não ando na rua de fato de treino, mas ando de calças de ganga e sapatilhas. Tento passar sempre o eyeliner e o blush...tento...nem sempre consigo ou tenho vontade...mas lá aderi ao rabo de cavalo. Esse sim, o meu maior aliado, dentro e fora de casa. É muito mais prático porque não há como tratar de um bebé e fazer as coisas de casa com uma gadelha bem comprida sempre a ir para a frente dos nossos olhos e a cair sobre a cara da criança. Também é para a minha própria segurança porque o Eduardo gosta de puxar o cabelo à mãe... e nem de rabo de cavalo escapo porque volta e meia agarra-o e toca a puxar... Tarefas como meter o bebé no carrinho ou na cadeira auto são um verdadeiro tormento com o cabelo solto...chega a um ponto em que já não vejo nada à minha frente e depois, zás, mais um puxão do Eduardo.

No que diz respeito a roupas também não vale a pena sair com a melhor indumentária...o Eduardo vai babar tudo quando pegar nele ao colo... felizmente o meu filho não bolça!

Quanto às unhas essas estão sempre arranjadas porque faço unhas de gel.

Não sei como vou ter tempo e paciência para me maquiar dignamente todos os dias de manhã antes de ir trabalhar e deixar o miúdo na creche...até porque as primeiras vezes vou chorar tanto que nem vale a pena meter nada na cara...acho que vou levar o estojo de maquiagem para o trabalho e dar um jeitinho lá.

sábado, 16 de novembro de 2013

I told you so

Uma familiar do meu marido ligou-lhe. Disse que tinha pensado muito em nós (eu e ele).
Foi mãe na segunda feira passada e ao segundo dia em casa juntaram-se pais e sogros. Resultado: conversas, barulho, confusão, pega na criança um, pega na criança outro... manda falar baixo e o povo só respeita uns minutos...Conclusão: ela aborreceu-se, diz que foi por pouco que não mandou toda a gente embora e o bebé ficou agitado e passou horas a chorar.

Diz ela que vai ligar para tios e primos a avisar que não quer visitas nos próximos tempos.

É o que faz melhor! Eu só quis cá em casa a minha mãe, umas horitas por dia, para me ajudar com o almoço, a casa e as roupinhas do Eduardo, não me arrependo nadinha da decisão e aconselho vivamente. Cá em casa estamos convencidos que isso contribuiu bastante para o bebé ser tão tranquilo...mimalho...mas tranquilo.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

É só para dizer

que se me sair os 100 milhões eu nunca mais trabalho.
Eu sei que fica bem fizer que se gosta de trabalhar e que é bom ser-se útil para a sociedade e blá blá blá mas eu prefiro viajar, viver numa quinta, acordar à hora que me apetecer, não cumprir horários e dar o mundo a conhecer ao meu filho.

Coisas de homens

Dificilmente conseguem ir ao supermercado com uma lista de compras e trazer somente o que lá está... inventam sempre mais qualquer coisa.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Serei só eu

que não percebe uma palavra que joão malheiro diz?! Mas que está ele a fazer como comentador na cmtv? Já não basta ter que aturar a maya..

Da minha infância

Eu sempre fui uma rapariga muito asseada.
Conta a minha mãe que um belo dia eu resolvi limpar a gaiola do grilo porque tinha cocó. E lá fui eu para o tanque de pedra. E limpei, limpei, limpei... só que me esqueci de tirar o animal lá de dentro...

Conclusão: os grilos não sabem nadar ioouuu

Será que as nossas crianças sabem o que são grilos? Será que já viram algum? Lembro-me de ir com o meu pai à "caça" do bicho, ele metia uma ervinha na toca do grilo e esperava que ele subisse para a comer. É algo que se vai perder porque mais ninguém, na minha família, sabe apanhar grilos.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

A crise quando nasce é para todos

Ligou uma senhora para a D. Maria Helena - a vida nas cartas: o dilema-  porque estava preocupada com a situação profissional dela. Então não é que a senhora está a ver o seu negócio a abrandar, os clientes a fugirem, mesmo os "habituais". Só não percebi qual é a sua profissão... diz a senhora que não pode dizer em televisão, que trabalha em apartamento próprio e que tem alguém com ela porque sozinha é perigoso.

A D. Maria Helena respondeu-lhe para mudar de vida, que já chega de tanto sofrimento e para as colegas de profissão terem cuidado e não fazerem o serviço sozinhas com "eles" porque é perigoso.

Ai a crise...


segunda-feira, 11 de novembro de 2013

À venda no groupon - para eles. Quem é amiga quem é?





Pack de 3 ou 6 ovos masturbadores Tenga para homem com lubrificante desde 19,90€

Dá saúde, prazer e faz crescer e, por isso, todos o fazem. Até os cães! Quem nunca teve um agarrado à perna? Se a sua namorada foi de férias, está a escrever a tese ou com alguma dor inconveniente, esta oferta é para si. E também se o Benfica joga em casa e, principalmente, se ainda não encontrou a dona do seu coração... e da sua cabeça.

Os ovos masturbadores Tenga candidatam-se a novos melhores amigos dos momentos de aperto. Cada um dos modelos tem um interior diferente para provocar sensações distintas durante a masturbação. Além disso, incluem um pequeno pacote com lubrificante para que a experiência seja mesmo top. Desfrute do sexo ao máximo sem precisar de mais ninguém.

O que tu queres sei eu

Sou incapaz de dizer algo que não sinto.
Incapaz de me oferecer para efectuar algo que não quero só para fazer boa figura já sabendo, de antemão, que a pessoa não vai aceitar.

E como não gosto destas frases politicamente correctas em que as pessoas dizem as coisas só por dizer também não as pronuncio e agradeço que façam o mesmo comigo. A frase mais descabida dos últimos tempos foi:

 - Vou entrar de férias, se precisares eu fico com o menino.

É que quando ouvi só me apeteceu responder:

- Enfia a tua "boa vontade" pelo cú acima que o que tu queres sei eu. Estás mas é a dizer-me que vais de férias e estás disponível para vir jantar cá à minha casinha, alapar a peida, comer e beber do bom e do melhor como fizeste em anos anteriores. Mas este ano não vais ter a mesma sorte. E quanto ao menino achas mesmo que eu deixava o meu filho com alguém que nunca quis pegar nele ao colo, com alguém que não sabe mudar uma fralda nem fazer um biberão? Já tens idade para ter juízo, deixa-te lá de fazer de boa samaritana que a mim não me enganas tu.

Mas limitei-me a não responder, fingi que nem ouvi...

sábado, 9 de novembro de 2013

Sabedoria popular

Pimenta no cú dos outros para mim é refresco!

Pura má lingua

A minha vizinha de baixo teve um filho há cerca de 3 anos.

Ela já tinha um bocadinho de barriga antes, pelo que só nos apercebemos que a senhora estava grávida já no fim do tempo. Entretanto o bebé nasce e passado poucos meses passamos por ela e parecia estar grávida de fim de 9 meses novamente...o que seria impossível. Comentamos até se os médicos se teriam esquecido de tirar outra criança lá de dentro, aquando o parto. A verdade é que ela está mais gorda agora do que estava no fim da gravidez.

Para nós é a " eternamente grávida".

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Figuras tristes

Foi o que eu fiz hoje de manhã no veterinário. Até digo mais: passei uma vergonha monumental.

Uma gaja anda sensível... uma gaja só pensa que tem que abandonar o filho na creche no próximo mês... uma gaja não quer chorar à frente do miúdo...uma gaja não quer chorar em frente ao marido...uma gaja faz-se de forte um dia...outro... até que está descansadinha da vida (pensa ela) no veterinário a comprar ração para o histérico do gato e o Sr. Dr. vem perguntar como estavam a correr as coisas com o bebé e com o gato, conversa puxa conversa que vai parar às unhas do gato e tal... o veterinário diz que ele decidiu tirar as unhas ao seu próprio gato quando este arranhou a cara da sua filha (sem gravidade), uma gaja começa a imaginar a carinha do seu bebé arranhada ou coisa pior...uma gaja começa a imaginar o sofrimento do gato no pós operatório de extracção das unhas, uma gaja começa pensar que se o gato magoar a criança que o mete porta fora... e uma gaja começa a soluçar, começam as lágrimas a cair descontroladamente, o veterinário fica aflito e mete a  gaja num gabinete e coitado fica a consolar uma gaja que a operação não é muito dolorosa, que é bom que o miúdo vá para a creche, blá, blá, blá...

Vergonhas é o que eu vos digo... será que ainda posso culpar as hormonas? 

terça-feira, 5 de novembro de 2013

A chorar

Foi assim que cheguei  a casa hoje.
Fui tomar café a seguir a almoço com uma amiga minha que tem uma menina de 9 meses diagnosticada com cancro desde os 3. 

A minha amiga está, basicamente, fechada e casa desde essa altura saindo para ir aos médicos e ao hospital de S. João. Falamos de várias coisas mas obviamente que 95% do assunto era sobre as nossas crias. E ouvi-la falar normalmente sobre a doença da filha, dos internamentos, dos exames, das sedações à criança, de quimioterapias, de ressonâncias...fez-me sentir tão frágil, fiquei com o coração pequenino e só me apetecia chorar mas fiz-me de forte à frente dela para também não a desanimar... mas pelo caminho de regresso não aguentei mais...e quando cheguei a casa abracei o meu filho e chorei com medo que lhe acontecesse algo, chorei de gratidão por ter um filho saudável, chorei porque sou uma picuinhas que anda triste já a pensar que tenho que deixar o menino na ,não tarda nada, como se isso fosse o fim do mundo quando na verdade poderiam existir problemas bem maiores...

Come a papa Eduardo come a papa

E ontem foi dia da primeira papinha -nutribén- e a coisa correu muito bem. O Eduardo gostou da colher, gostou mais ainda do sabor da papa - arroz e milho- e comeu quase metade da dose- bem bom porque a médica disse que inicialmente ele iria ficar só por 2 ou 3 colheres.

O meu menino está um homenzinho.

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Enfiei a carapuça

Ora este post da Mariposa serve-me que nem uma luva...perfeitinho, perfeitinho... é que por cá eu também não trato da roupa do meu, agora, marido...ah pois não. Então quem trata? A mãezinha claro está e porquê? Fácil:

1º - quando ele era casado com a primeira mulher esta não fazia esse servicinho.

2º -  quando ele se divorciou ele próprio não tratava da roupinha dele, continuava a levar para a mãe.

3º - quando veio viver comigo, eu não sou burra nem criada de ninguém, nunca lhe disse que passava a tratar da roupa dele e continuou a levar para  mãezinha.

Se a senhora tem obrigação de lhe fazer esse serviço? Não, não tem. Mas uma vez que ele paga as contas à mãe porque a pensão de sobrevivência não chega para os seus luxos, metendo mais dinheiro na casa dela do que na minha, é lógico que a senhora faça algo de útil em troca, porque quem não tem obrigação alguma sou mesmo eu. Cá em casa tem ao seu inteiro dispor e completamente grátis: uma máquina de lavar roupa, um estendal, uma tábua de passar a ferro e uma caldeira a vapor que passa que é uma maravilha. E enquanto ela está entretida com a roupinha do filho não está a gastar dinheiro.

Esta história de que há serviço de homem e serviço de mulher cá em casa não pega...é que sou eu que tenho que levar o carro à oficina, eu é que troco as lâmpadas...se é preciso pintar uma parede, arranjar uma torneira ou algo do género tenho que contratar um "artista" porque ele não sabe fazer nada disso.

E quando a senhora está doente? Quem trata da roupinha? Ora, a empregada de limpeza semanal paga pelo filho, claro está, apesar da irmãzita de 50 anos viver com a mamazita e estar livre ao fim de semana e ter bom corpo para aspirar e limpar o pó, mas prefere passar o sábado no cabeleireiro e a chonar no sofá.

E quando a senhora bater a bota, perguntar vocês? Pois que o dinheiro que deixa de gastar com ela dá para levar tudo à lavandaria e ainda sobra umas massas valentes ao fim do mês.

Mais a mais, acredito que as mães que façam isto aos filhos o façam de boa vontade porque, efectivamente, não são o brigadas a tal. Muitas até agradecerão por terem algo com que entreter e assim verem frequentemente os filhos/netos.

Podes crer

domingo, 3 de novembro de 2013

A tradição ainda é o que era

Este fim-de-semana diz a tradição que é destinado a visitar as campas dos falecidos. E o povo lá vai...tudo em filinha... com as flores numa mão e as velas na outra...mesmo que enquanto viva não lhe ligassem nenhuma... mesmo que enquanto viva toda a gente dissesse que ela era uma peste negra e ruim como as cobras... mas a tradição diz que é para ir e o povo vai... todo bem vestido para a vizinhança ver... gastam rios de dinheiro em flores porque o mais importante é que a campa esteja mais bonita que a da vizinha...

...e depois o dia acaba e esquecem-se dos falecidos por mais 365 dias...

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

yammi vs bimbi # 2

Pelos vistos o link não está a funcionar porque a autora mudou de "casa". Resolvi fazer copy + past e pronto:


Este é o texto que vocês estavam à espera. Vou relatar-vos o verdadeiro teste comparativo da Yämmi com a Bimby.
 
Para começar a declaração: Eu tenho uma Bimby! Comprei-a há 3 anos e tenho a dizer-vos que é a minha melhor amiga na cozinha. Afirmo que já não sei viver sem ela (vá, estou a exagerar... mas é muito útil).
 
Até comprar a Bimby eu era daquelas pessoas que dizia: "Comprar uma bimby, Deus me livre, gastar tanto dinheiro num robô de cozinha. Pelo preço dela tinha de descascar os alimentos, cozinhar, aspirar e fazer as camas!" Sim, era uma incrédula. Já tinha algumas amigas rendidas a este pequeno doméstico mas eu continuava irredutível na minha teimosia. "A Bimby é para quem não sabe cozinhar", ou ainda... "Eu cozinho melhor sem essas máquinas que só servem mas é para gastar dinheiro"... Enfim, tudo um conjunto de frases que já devem ter ouvido e pensado.
 
E acabou por ser um amigo, sim um homem pai de família a convencer-me a fazer uma demonstração. A frase foi qualquer coisa como "depois do miúdo nascer (sim, eu estava grávida do primeiro filho) vais ver o jeito que dá para as sopas. Aquilo faz a sopa enquanto dás banho, quando acaba apita, não há cá água a sair por fora, panelas queimadas e esquecidas no fogão, além de que fazes tudo no mesmo sítio. Só sujas o copo daquilo e mais nada". Acho que os meus olhos brilharam nessa altura.
 
Para resumir a história...fiz a demonstração, juntei dinheiro e meses depois lá comprei a dita Bimby e somos felizes com a nossa amiga desde então.
 
Desafiada para experimentar a Yämmi achei a ideia fantástica. Já tinha lido em alguns blogues sobre a máquina (recentemente até a Visão fez um artigo comparativo) mas nada me parecia muito profundo. Assumi então a missão de experimentar a Yämmi e responder à pergunta (na minha perspectiva, claro) quem é que ganha neste duelo. 
 
Pois bem, pensei em colocar a ficha técnica de uma e de outra - poderei remeter para um outro artigo para não tornar este tão extenso - mas penso que não é isso que se pretende. 
 
Teste comparativo:
 
Há semelhanças mas há também diferenças claras. E pasmem-se: há coisas que são muito melhores na Yämmi do que na Bimby (e não falo só do preço... já lá vamos). Vou organizar por tópicos.
 
Lâminas - A Yämmi tem duas lâminas: uma de cortar e outra de mistura; a Bimby tem apenas uma lâmina. Para quem tem Bimby esta é, de facto uma grande vantagem. Não me imagino a estar a fazer uma massa e ter de mudar a lâmina a meio. É muito mais prático ter apenas uma que faz todas as funções. Para quem nunca trabalhou com Bimby acredito que não faça diferença por se habituar logo a trabalhar com duas.
 
Balança - A Yämmi não tem balança incorporada mas traz à parte uma balança digital; a Bimby tem balança incorporada. Quando se está a seguir uma receita, sobretudo bolos, dá muito jeito ir pesando à medida que vamos fazendo. Basta carregarmos no símbolo e ela fica a zero para medir novamente e colocarmos novo ingrediente. Assim não tenho de sujar um recipiente à parte só para medir. 
 
Copo de mistura - A Yämmi fecha o copo de mistura com uma tampa com um anel de borracha que desliza sobre o rebordo do copo; a Bimby tem um anel de borracha interior mas o sistema de fecho é de encaixe metálico e o anel serve como isolante. Apesar do sistema da Yämmi ser menos fácil de deslizar parece que acaba por vedar melhor. No entanto, quer-me parecer que possa desgastar mais este anel vedante, mas isso só o tempo o permitiria dizer.
 
Copo medidor - A Yämmi tem um copo medidor que encaixa no topo da máquina e tranca (mas tem uns buracos para deixar sair o vapor); a Bimby tem um copo medidor que tapa apenas mas não tranca. Claramente o sistema da Yämmi é melhor. Quantas vezes não tenho de colocar um pano humido em cima do copo da Bimby para não saltar (mas que já fui informada que não o devo fazer. E não o farei mais por questões de segurança). Em todo o caso, como o copo da Yämmi trancava, estava a fazer a sopa do meu filho e, no final, coloquei na velocidade 7 para começar a triturar. Mesmo trancando acabou por sair um pouco por fora. Devia ser por causa do vapor, por isso tenham atenção quando têm comida muito quente. Mesmo o copo fechando em cima, coloquem um pano para não se queimarem.
 
Bandeja de Vapor/Varoma - A Yämmi tem um sistema de bandeja a vapor que tem uma tampa própria que encaixa na máquina e depois colocam-se os tabuleiros em cima; a Bimby tem uma Varoma (o nome que dão) que se coloca por cima da tampa tradicional (sem o copo medidor, ou seja, o bocal aberto para sair o vapor, e coloca-se os tabuleiros em cima. Aqui o sistema da Yämmi é melhor. Como tem uma tampa que faz parte do próprio sitema que cria uma espécie de bocal para o tabuleiro o vapor distribui-se melhor na bandeja permitindo criar mais vapor nos dois tabuleiros (quando utilizados). No caso da Bimby como é por cima do bocal da tampa, muitas vezes acontece, no primeiro tabuleiro, ficar comida na zona por onde sai o vapor e acaba por tapar e não distribuir pelo resto da varoma.
 
Temperatura de Cozedura - A Yämmi quando se coloca a funcionar temos de colocar a temperatura mas depois de colocar o tempo desaparece no mostrador a temperatura que está cozinhar; a Bimby (que aparece na foto à direita) tem aqueles botões com cores que vão indicando a temperatura que já atingiu e a que está a cozinhar. Aqui a Bimby sai em vantagem. Aconteceu-me o mais pequeno chorar enquando cozinhava. Fui à sala e quando voltei já não sabia a que temperatura estava. Claro que posso parar e rodar para verificar mas a Bimby é só olhar e ver se já atingiu a temperatura que programámos.
 
Velocidade vs Temperatura - A Yämmi quando seleccionamos uma temperatura de 100 graus não permite uma velocidade superior a 4 (numa escala até 10); a Bimby permite que cozinhemos a qualquer velocidade independentemente da temperatura. Percebo que seja uma opção até por questões de segurança mas, de facto, em alguns cozinhados é importante colocar numa velocidade mais elevada. 
 
Marcação do tempo para cozinhar -  A Yämmi para iniciar qualquer programa requer a marcação de tempo para dar início e faz a contagem decrescente; a Bimby permite a marcação de tempo decrescente mas mesmo sem tempo pode-se colocar a funcionar bastando definir temperatura e velocidade. A bimby aqui sai em vantagem. Por vezes só quero mexer mais uns 15 segudos e na Bimby basta rodar a velocidade. Na Yämmi tenho de estar sempre a colocar tempo. Não é prático. Mas pelo que já fui informada apenas dá para funções simples. Para cozinhar, mesmo na Bimby o tempo tem de ser marcado e é decrescente. Em todo o caso para triturar ou acrescentar mais un segudos até ver como fica é prático apenas iniciar sem ter de marcar um tempo.
 
Função espiga - A Yämmi não dispõe da função espiga; a Bimby tem esta função sobretudo para massas de fazer pão e não só. Esta é de facto uma função muito útil. Para quem queira, por exemplo, fazer uma massa de rissóis nota que na bimby fica um bolinha direitinha enquando na Yämmi a massa está mais separada.
 
Colher invertida - A Yämmi não tem esta função; a Bimby dispõe desta função e é o que lhe permite ter apenas uma lâmina. Para cozinhar, e quem está habituado, é bastante útil.
 
Pés da máquina - A Yämmi tem um pés de borracha tipo ventosas que agarram bastante bem; a Bimby tem uns pézinhos de borracha que permitem aderir ao local onde se coloca. Aqui a Yämmi sai em vantagem. Os pés agarram bastante bem. Tão bem que, por vezes, quis mudar a máquina de sítio e quase que não conseguia tirar. Já a Bimby, em velocidades mais elevadas, por vezes tive receio de ter de a ir buscar ao vizinho, porque os pézinhos não são suficientemente fortes e ela começa a saltitar. Em todo o caso também já me disseram que a balança da Bimby fica nos pés, por isso não são as tais ventosas. 
 
Preço - A Yämmi custa 349 euros; a Bimby 966 euros.
 
E pronto, em traços gerais são estas as principais diferenças. Como podem ver há prós e contras tanto para a Bimby como para a Yämmi. Os materiais são um pouco diferentes e isso também de reflecte no custo. 
 
Não se pode comparar um simples utilitário com um carro topo de gama. Se cumprem a mesma função? Cumprem, andam os dois, mas sabemos que há diferenças. Aqui é a mesma coisa.

Se querem a minha opinião sincera, Bimby é Bimby! Mas, nos dias que correm, pagar quase 1000 euros por uma máquina é dinheiro. Se eu sinto que já recuperei um investimento? Completamente! Eu sou uma mulher das finanças e investimento por isso avalio sempre o custo/benefício de tudo. Mas também digo que quando comprei não havia Yämmi. Se calhar hoje em dia pensaria duas vezes. 
 
O que procurei, como sempre, é ser o mais detalhada possível em todos os pormenores que encontrei e que me pareceram relevantes. Espero ter-vos ajudado e, já agora, se houver por aí fãs da Yämmi e da Bimby partilhem também as vossas dicas, sugestões e experiências.

Como limpar moelas

Resolvi estufar umas moelas, só depois de as comprar é que me lembrei do trabalho que aquilo dá a limpar:

- retirar a gordura amarela com uma faca de bico;

- raspar toda a moela;

- deixar em água quente e vinagre por 20 minutos;

- passar por água corrente.

Depois foi só seguir a receita da yammi. E por falar de yammi aquilo tem um defeito: é que só se consegue usar a máquina uma vez por dia, é que não se pode encaixar o copo na mesma estando este molhado, ora se cozinhamos algo e lavamos o copo... este fica molhado por umas horas...logo não o podemos voltar a usar...penso eu de que...ou então sou eu que sou aselha e tem medo de arriscar e enfiar aquilo ainda molhado e avariar a máquina...e quem deu esta não dá outra.. mas as instruções são claras quando dizem para não o fazer.