quinta-feira, 13 de março de 2014

Se é para isto mais vale não dormir

Esta noite sonhei que o meu pai tinha falecido.
Era tudo tão real que conseguia sentir o cheiro dele. O choque, a angústia e dor também eram reais.
 
A verdade é que os anos passam. Não só para mim, a caminho dos 37, como para eles. E se olhar com atenção dá para ver que a agilidade já não é a mesma, as rugas estão cada vez mais marcadas, os cabelos brancos, as queixas de saúde começam a aparecer. Perder um pai é a lei da vida a funcionar, mas nunca estamos preparados. É perder uma parte de nós, da nossa identidade, da nossa história. É, se calhar, assumir que a vida está a passar também por nós e o nosso dia acabará por chegar. A questão é? O que deixamos para trás? Boas ou más recordações para os outros? Filhos? Sentirá alguém a nossa falta? O que construimos? Criamos seres maravilhosos ou terminamos na solidão? Deixamos bens materiais ou levamos uma vida repleta de aventuras e vivências?
 
Recordo o falecimento do meu sogro. Aquilo mexeu comigo e dei por a mim a formular uma série de questões. Eu, que até então achava que a minha realização seria sempre por via profissional mas estava frustadissima no trabalho por não ter perspectivas de crescimento nem reconhecimento, comecei a achar que dedicar-me ao emprego e esperar pela boa vontade de patrões era uma pura perda de tempo. Começou a nascer em mim o bichinho da maternidade e de investir, realmente, no que é importante. As pessoas! Porque empregados há muitos, mãe e pai há só um. E se eu quero ser importante e fazer algo notável, desafiador e recompensador então é sendo mãe que irei conseguir.
 
Acordei com a dor de perder o meu pai e chorei que nem uma perdida.
Depois tentei acalmar-me pensando para mim: foi só um pesadelo, isto nunca vai acontecer porque os meus pais são eternos.
 
Mas não consigo pensar noutra coisa…

5 comentários:

Same Old Guy disse...

Estás a precisar de um "abanão"!!
E que tal começar a ser mais positiva?

Tens um filho fantástico que puseste no mundo e precisa de ti, do teu amor, tens uma relação estável e algo que eu já não tenho há 2 anos - trabalho - no teu caso, emprego.

Que tal tentares relaxar e começares a concentrares-te nas coisas boas da vida.

Sorrir, pensar no Verão e nas férias....

Anima-te, faxavôr!!!!!!!!!!!!

Beijo*

Lia disse...

Também já sonhei o mesmo :S

Miú Segunda disse...

Há um provérbio que diz:
"Morte sonhada,
Vida dobrada."
Vamos pensar que é assim! :)
Mas é claro que é mais fácil dizê-lo que fazê-lo, pois sonhar com a morte dos que amamos é assustador.
Beijinhos

Miú Segunda disse...

Há um provérbio que diz:
"Morte sonhada,
Vida dobrada."
Vamos pensar que é assim! :)
Mas é claro que é mais fácil dizê-lo que fazê-lo, pois sonhar com a morte dos que amamos é assustador.
Beijinhos

PT disse...

Ah, gostei!
Subitamente cresceu a esperança... esta «miúda» vai chegar lá! :D