quinta-feira, 3 de julho de 2014

Comentário que vira post

Em resposta a este : http://afarmaciadeservico.clix.pt/2014/07/menos-muito-menos.HTML

Tenho um bebé de 1 ano.
Sim, a vida muda muito e não temos tempo para nada, nem para nós. Porque é impossível a vida continuar a mesma. E se era para a vida continuar  na mesma não se tinha filhos. Se é para os abandonar em creches e/ou nas avós dias inteiros, fins de semana e afins então é melhor não os fazer pois as crianças estão a ser criadas por outras pessoas.
 
90% dos pais e mães abdicam do seu "time alone" para estar com o filho, para brincar com ele, para o ver crescer, evoluir. Ser pai/mãe é isso, é estar presente e isso implica muitas mudanças, que normalmente, os pais/mães aceitam de bom gosto porque ver um filho crescer é mais importante que estar constantemente nos copos com os amigos ou longas tardes no cabeleireiro ou a dar à perna no shopping. Os pais não querem perder a primeira palavra do bebé, o primeiro passo, a primeira asneira. Querem estar lá quando ele tropeçã e cai, magoa-se. Querem ser eles a abraçá-lo e não a educadora ou a avó que fica dias e dias com ele. Querem chegar a casa do trabalho e ver o sorriso de alegria do miúdo e não ir buscá-lo às 22hrs já a dormir e deitá-lo na cama sem falar com ele.
 
Isto são coisas que só quem é pai percebe e eu, antes de ter filhos, também não compreendia e criticava as minhas amigas que nunca podiam (ou não queriam, acho eu agora) alinhar nos nossos programas.
 
É obvio que não devemos cair num extremo absoluto. De vez em quando precisamos desanuviar a cabeça, estar sozinhos um bocado ou, principalmente, a dois. Mas nunca, se retoma a vida de antigamente porque, antigamente, sem filhos, afinal, a vida não fazia sentido nenhum. Viagens, jantares, concertos, bebedeiras, é tudo muito bonito e deve existir na nossa vida até certa altura.

Depois...depois é que a vida ganha sentido.

3 comentários:

Timtim Tim disse...

Muito, muito bom! Subscrevo. Ainda agora os meus pais as queriam levar para casa deles, lá no norte, porque eu estou cheia de trabalho. Mas não consigo. Já não consigo ficar sem elas por dias.

Uba disse...

Entendo-te perfeitamente.
E o post dele só demonstra o egoísmo em que vive a nossa sociedade.
Bom fim-de-semana!

A Pimenta* disse...

Sendo eu mãe há 15 dias já consigo perceber bem o que falas neste post. Ainda há uma semana disse ao meu marido que a nossa vida nunca mais irá ser a mesma. Porque não o vai ser mesmo, nem podemos ter pretensões de que assim continue a ser. Já não somos dois mas sim três. E ser mãe e pai dá um trabalhão imenso. Dá, mas também acredito que encontremos muitos motivos para sorrir ao olharmos para o(a) nosso(a)rebento(a).