quarta-feira, 23 de julho de 2014

Não há condições

Às 8.30 da manhã já tinha mudado a roupa da cama do Eduardo. Já lhe tinha mudado de roupa três vezes, trocado a minha t-shirt duas e alternado de chinelos uma.

É em horas como estas que eu não acho piada nenhuma à maternidade. Lamento mas não consigo.
Dou os parabéns àquelas mulheres que acham sempre o máximo serem mãe e os filhos são sempre uns queridos e é só alegrias. Na casa dos outros não sei mas aqui na minha há muita hora sem dormir, muito desespero ao ver a comidinha que tanto me custa a enfiar-lhe goela abaixo, carregada de suplemento alimentar, a voar à minha frente. Muita loucura ao ver o amontoar de roupa para lavar em minutos e a roupa limpa a esgotar-se.

Cá em casa não se namora, não se janta ou almoça a dois, não há mãos dadas nem tempo para sexo porque de noite estamos de rastos e durante a sesta do rapaz há sempre coisas para fazer... Por cá não há avós que queiram abdicar das suas aulas de ginástica, natação, aulas, ensaios e espectaculos de zumba, das idas á praia, nem das suas sestas diárias.

Cá em casa somos três mas eu sinto que me desdobro em dez. E o meu marido até ajuda. Chega mesmo a fazer às vezes. Mas eu sinto-me sufocada e por estranho que pareça quem me oferece ajuda é a minha irmã mais velha, que tem dois filhos já com 6 e 15 anos. Mas se o filho dela não fosse tão irrequieto e violento eu até deixava lá o Eduardo, mas assim, não consigo!

6 comentários:

A Pimenta* disse...

Post mais que sincero. Apesar de ser ainda muito recente nestas lides da maternidade, reconheço muito facilmente que há dias em que nos apetece manda-los pela janela fora. Parece mal dizê-lo mas é verdade. Há alturas em que não consigo decifrar qual a razão do choro, há alturas em que me sinto cansada. Mas depois olho para ela e vejo muito coisa boa ali para contrabalançar.

Bocagiano disse...

"Só recebemos nas costas o peso que conseguimos suportar"

Um marido não ajuda, um marido partilha as tarefas em casa.
Isso era na geração dos nossos pais, hoje em dia os maridos têm de partilhar tudo em casa. Caso contrário - arriscam-se.

Paulo Nunes disse...

Nós com o mais novo... tivemos mais chatisses.. muito mais bolçado do que a mais velha, Mas felizmente.. as noites foram-se safando. mas amiga... quando começares a tirar as fraldas e ele fazer xixi duas vezes por noite... aí é que vai doer mais! porque os gajos demoram mais que as miudas!
não desesperes... o tempo passa depressa!!

Feijoca disse...

Tadita da Morango...

Como mãe de duas raparigas que já tomam banho sozinhas (embora ainda saiam da banheira com champô no cabelo), tenho o dever de mostrar toda a minha solidariedade pelo desespero que sentes e de te dizer: vai passar! Não é nada que não saibas, claro, mas às vezes é preciso alguém que nos ajude a focar no que é importante.

Lembro-me muito bem de me sentir de rastos e com vontade de mandar as minhas filhas (têm idades próximas) para o inf... infantário ou pela janela fora, como disse a Pimenta. Aliás, a minha mãe ainda sente essa vontade comigo, por isso... acho que deve ser normal.

Infelizmente, havia pessoas à minha volta que não entendiam estes desabafos (porque não passam mesmo de desabafos, como sabemos) e que me faziam sentir culpada, como se eu fosse a pior mãe do mundo.

O pai das minhas miúdas não conseguiu gerir muito bem estas mudanças (foi o próprio a dizer), a relação desgastou-se e.... pronto, acabou.

Como vês, é uma batalha muito dura, sobretudo se também temos uma casa para cuidar, uma relação para manter e a vida profissional que nos leva tanto da nossa energia.

Mas, apesar de tudo, podes acreditar no que te digo: vai passar mesmo!

Desejo-te coragem, muita paciência e fé em dias melhores! Não tarda muito o teu filho já está a levantar-se sozinho ao fim de semana e a preparar o pequeno-almoço sem te acordar (e a entornar leite com chocolate no sofá... cof, cof...)

Combinado? ;)

Uba disse...

Tu achas que comigo é como?
O pequenino até depois de ano e meio acordava de duas em duas horas. Eu andava em modo automático, estilo zombie. lol
A casa desleixada, eu própria desleixada... Mas as coisas foram acalmando. Ele começou a dormir melhor, comecei a fazer as coisas (muitas ainda são desleixadas)... Mas é assim a vida!
Se me queixo? Tem dias!
Mas prefiro ver o lado bom! Sou feliz com ele bem colado a mim! <3

Eve disse...

tou a lembrar-me dos meus, bronquiolites tds os anos, a toda a hora, vomitar mais do quem comiam, mudar lençois vomitados 2 a 3 vezes por noite.. e um marido (agora ex graças a deus) a ressonar como se nada fosse...

enfim...