sexta-feira, 26 de setembro de 2014

E é assim

Sinto a tua falta.

Há hora de almoço já não estás lá. A mãe não sabe como estás, nem vale a pena perguntar. Basta olhar para ela e ver as lagrimas e escorrer pela cara abaixo. Eras tu o seu bebé, aquela que estava com ela todos os dias, lhe enchia o telemóvel de mensagens. Diz ela que agora o telemóvel não faz qualquer ruido. Eu fui ao teu quarto e senti e teu cheiro. Só agora reparei que está cheio de fotos minhas. És a minha menina e sinto que aqui não te posso proteger, nem abraçar, nem gozar nem resmungar contigo.

Sinto a tua falta.
Mas tiveste que partir para encontrar algo melhor para ti. Eu cheguei a ponderar o mesmo, em tempos, mas a ideia de ficar sem vocês afastou logo qualquer possibilidade de ir. Não imaginei a minha vida ti nem a mãe.

Custa-me saber que estás longe do meu alcance. Que não te posso abraçar.
Bem sabemos que temos a internet ao nosso dispor mas já foste há dia e ninguém teve coragem de ligar... ninguém quer ver ou  ouvir, sequer, a outra a chorar. A ti deve-te doer mais. Nós continuamos na nossa área de conforto, embora sem ti não seja a mesma coisa, mas para ti é tudo novo.

Sei que não lerás este post pois nem sabes que eu tenho um blog, mas preciso desabafar e dizer que choro por ti todos os dias.

Quando é que esta dor passará?

4 comentários:

Uba disse...

:(

Orquídea disse...

muita força para ti minha linda!!! Para ti, e para os teus!

R* disse...

Força :)

Feijoca Magazine disse...

Muito doloroso, sem dúvida...
Beijinhos e votos de força, energia positiva e esperança em dias melhores!