segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Resumindo

Aguardo ansiosamente contacto do médico com data da cirurgia à medula. Nada de especial...quer-se dizer: fisioterapia pré-operatória, horas no bloco operatório com risco de lesões, dois dias na unidade de cuidados intensivos e mais uns quantos a injecções na barriga para evitar tromboflebites. Vou operar a Lisboa, no privado, e ficar 6 dias sem o meu filho...

O meu marido está deprimido, não sabe porquê...

O Eduardo está com amigdalite e faz, há dias, 39.9º de febre. Está a penicilina e não durmo há 3 noites e o miúdo não come há dois dias.

A minha irmã estava na fila da segurança social e andou à porrada com uma fulana de bairro social. Parece que levou mais do que deu.

Amanhã entro de férias, se é que se pode chamar fé-ri-as quando se tem um filho doente. Temos viagem marcada para a Madeira no fim da semana e nem sei que faça.

Tudo bem, portanto!

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Também quero


Oh pá...

Se querem dar 20 eur/dia para os pescadores não apanharem sardinha...

Não podem distribuir uns 20 eur/dia aqui ao veraneantes por não poderem ir à praia devido a ausência de sol? É que a malta também tem despesas!!! É a conta do hotel, as portagens, as esplanadas, as compras no shopping, o bilhete do cinema... é que só se poupa mesmo no protector solar e nas mijadelas no mar...


sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Anda tudo tolo

Óh pá, juro que não percebo.

Esta onda de violência entre ex-casais não me entra na cabeça.
 Já começo a admirar o meu ex-marido. Divorciamo-nos e pronto. Foi cada um para seu lado viver a sua vidinha. Mas a malta acha que não existem mais mulheres/homens à face da terra? E qual é o problema de se ficar sozinho? Mal vale só que mal acompanhado!

Depois são aquelas que se queixam que são mal tratadas mas continuam com eles. Devem adorar ser vitimas, só pode! Não percebo esta falta de auto-estima. Eu quando me divorciei, estava desempregada, não quis pensão de alimentos e fui viver para um sótão- por dois anos! AH e tal, não tinhas filhos - pois não! porque não sou burra de ter filhos numa relação de stress e desgaste. Há a pilula, os implantes, os aparelhos DIU...

Depois há aqueles que criticam quem não sabe o preço de um kilo de laranjas. Pois eu admito: Não sei o preço de um kilo de laranjas assim como não sei o preço de um kilo de bifes, nem um kilo de batatas, nem de nada! Minha gente: É CO-MI-DA! A primeira necessidade a satisfazer! Que me adianta saber o preço? Vou deixar de comer? Vou deixar de dar sopa ao Eduardo porque os legumes estão caros? Mas pior, vi uma senhoreca que retirou as laranjas do saco quando reparou no preço delas mas estava com relógios de marca, cabelo pintado, e telemóvel de ultima geração. Isto para mim são prioridades trocadas. É claro que aproveito as promoções - detergentes, fraldas, toalhitas, shampoos -  mas não deixo de comprar o essencial e CO-MI-DA é essencial.

Depois são os incendiários e o sistema que nada faz a esta malta...

Enfim,

Nem sei que diga...