sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

O meu marido está p$d&d$

Acabei de saber que abriu uma loja ARMANI OUTLET aqui bem perto, no Nassica!!!


É um dos dias mais felizes da minha vida.

$
$
$

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

É normal?

Quer-se dizer:

Uma gaja vira-se para a alimentação saudável. É aveia, é nozes entre as refeições, é a frutinha, é a redução de carnes vermelhas. É o chá em vez do sumo, são as saladas, o peixinho grelhado, o franguinho.

Uma gaja passa semanas sem ver uma pizza à frente, francesinha nem cheirá-la e o Mcdonald´s passa meses sem me ver.

Resultado: Tive 5 episódios de vómitos intensos desde Maio até hoje. Mas aqueles que saem mesmo do fundinho e até fico com receio que os vizinhos me toquem à campainha a reclamar do barulho.

Conclusão: comida saudável  faz-me mal.


quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Como se diz aqui no norte: Paneleirices

Uma pessoa está no cabeleireiro e vê um semi-jovem (tradução: um gajo na casa dos 35 anos) a sentar-se numa cadeira de barbeiro depois de lavar a barba com loção apropriada.
A profissional altamente qualificada massaja a barba com creme por longos minutos e enrola uma toalha quente à volta do rosto retirando-a uns instantes depois e voltando a massajar por outros tantos, com outro creme e logo a seguir espalha a espuma com delicadeza.
Ajeita-se para começar a barbear, cuidadosamente, com uma navalha toda xpto. Eu pensei que ia fazer qualquer delineado com precisão milimétrica, de régua e esquadro, mas afinal retirou a barba toda, ao longo de vários minutos.
E depois volta a passar creme e massajar.
E eu até fiquei com vontade de ter barba só para receber uma massagem assim.

Depois uma pessoa desfolha uma revista e vê publicidade a extensão de pestanas. Nada de novo, claro está. Mas na sequência de fotos do antes/depois reparo que um exemplo de pestanas vigorosamente aumentadas são em olhos masculinos e a prová-lo está um  bocado da barba do sujeito.

E uma pessoa ainda não se tinha recomposto daquela imagem e já está a entrar pela porta do cabeleireiro uma mãe que queria marcar o alisamento de cabelo para o seu puto de 14 anos, porque ai e tal assim é mais fácil lavar o cabelo,.
E enquanto na minha mente vagueia a imagem de um puto selvagem com rastas enormes e ratos lá no meio e cabelo por lavar há meses, viro os olhinhos e vejo o chavalo com o cabelo tipo pente 3 dos lados e em forma de tijela o cabelo centrado que deveria medir uns 12 cms de altura - máximo - embora e sim, é verdade, alguma ondulação mas nada de especial.  E uma pessoa controla-se para não lhe dizer que já existem máquinas de rapar o cabelo há muito.

E eu fico a pensar que já não bastava os gajos fazerem depilação a laser, como nós, botox, como nós, manicure, como nós, sobrancelhas, como nós, spa, como nós, ainda se viram para as colorações, prós alisamentos, prás massagens e extensão de pestanas.... é caso para dizer que qualquer dia viramos lésbicas sem querer!

Eles estão mais femininos que nós!!!






segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Isto dos infantários, colégios e afins


Os trabalhos do colégio do Eduardo (3 anos de idade)

Dúvida existêncial de mãe de primeira viagem:

Mas porque é que quase todos os dias vêm trabalhinhos ,caixinhas, pinturinhas, cestinhos  - TRA-LHAS!!!! - que ele lá faz. Ai e tal que bonito, foste tu que fizeste? Sim - pumba para o lado e já não liga mais àquilo. E eu, que já ando com TRA-LHAS minhas, mochila do puto, casaco do puto, saco do pão, os legumes e as frutas e cuidado para não partir os ovos, camisas da lavandaria e sei lá mais o quê!!!! pelas escadas acima e escadas abaixo, ainda tenho que ter o cuidado de não esmagar a preciosa cesta com espiga e castanhas assadas, e ver se o puto não remanga pela escadas abaixo e se não calco o gato à entrada... Tudo sem fazer nenhum foguete nas meias!

É que uma pessoa olha para aqueles trabalhos tão bonitos e tal mas sem utilidade e pergunta ONDE RAIO VOU GUARDAR ISTO ? e a resposta mental é quase instantânea: caixote do lixo!!! Mas depois vem o remorso e tal porque foi o puto que fez e não-sei-mais-o quê...E vais ter saudades dele pequenino e blábláblá...

Resumindo: Só tenho tralhas...



quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Incongruências

Isto de ser blogger profissional não deve ser fácil.

Primeiro têm que ter sempre assunto para escrever e há os patrocínios, as publicidades, as parcerias, as presenças para eventos, as sessões fotográficas pelas ruas da cidade em vestidos reduzidos e costas ao leu debaixo de um frio de rachar, os livros para publicar e outras coisas que nem me passam pela cabeça.

E depois acontecem coisas estranhas como malta a dizer que se está a preparar para maratonas - nacionais, internacionais e de bairro também - trails e mais-não-sei-o quê, com personal trainer de alto gabarito, livros de motivação e técnicas cientificas de treino, sapatilhas xpto, relógios, cronómetros, bonés e afins...

E depois tropeçamos num post em que se queixam de cansaço matinal e dores no corpo, que  se calhar estão anémicos e vamos lá ver se não é deficiência de ferro,  e nem precisam ir à maquilhagem nem cabeleireiro porque a ocasião exige semblante pesado, e saia de lá mais um chequezinho pela publicidade a titulo diplomático e já marchou um almocito de graça, quer-se dizer, de graça não porque depois têm que agradecer publicamente ao restaurante do fim da rua...

E fico na dúvida se afinal serão saudáveis ou estarão doentes e respiro de alivio pela minha vida ser tão simples:

Afinal sou só bancária.


quarta-feira, 23 de novembro de 2016

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Saga o nosso SNS # 3

A senhora minha mãe faz análises e exames de rotina todos os anos. Não falha.

Segundo o exmo. médico de família está sempre "tudo bem" mesmo quando ela se queixa de dores e os exames de despiste não acusam nada.(porque está a procurar no sitio errado)

Ano após ano ela queixa-se daquele incomodo ali em baixo e o médico repete o mesmo exame e conclui que "está tudo bem minha senhora, deve ser uma infeçãozinha, tome este antibiótico que passa".

Só quando ela tem uma crise e vai parar às urgências do hospital e lá lhe dizem que tem as análises ao sangue muito alteradas e que deveria ir ao médico de família - com urgência - é que se inicia TO-DO um festival que não lembra a ninguém...

 - "Então ainda há 2 meses fiz análises e exames de rotina e o meu médico diz que está tudo bem. Tenho-as aqui se quiser ver " Diz a minha mãe à médica da urgência. Esta olha para as análises e explica: "minha senhora estas análises não estão nada bem. Eu acho que devia pedir ao médico de família para estudar bem o seu caso porque eu acho que deve estar, no mínimo,  com problemas no baço. Eu acho que é algo grave mas não é aqui que se resolve".

Lá vai a minha mãe ao centro de saúde e é atendida por uma médica de recurso porque, felizmente, o médico de família estava de férias. Lá olha para as mesmas análises que o parvalhão já tinha visto há 2 meses e exclama após consultar outra colega: "minha senhora você tem aqui algo muito grave e que acusa alterações no sangue há 13 anos".

13 A NOS
13 ANOS
13 ANOS




quarta-feira, 16 de novembro de 2016

E por falar em férias, onde foste este verão Morango Azul?

Basicamente andei entre dois locais: douro e cabo verde.

Nós somos daqueles que quando adoram um sitio repetem-no várias vezes. Há quem prefira estar sempre a conhecer destinos e hotéis novos mas nós defendemos que "em equipa que ganha não se mexe", até porque com o miúdo quantas menos surpresas melhor.

Estivemos na ilha do Sal, em Cabo Verde, mas a nossa vontade mesmo era ir para a ilha da Boavista mas já não havia voos. Lá fomos com um bocadinho de receio do fenómeno "vento" de que tanto se fala. Fomos em Maio, ficamos no Riu Funana, tudo incluído, e quem se queixa do vento... é quem não mora no nosso litoral norte e desconhece o que são  nortadas geladas em pleno verão. Basicamente adoramos tudo, se bem que o mar deixou algo a desejar pois estava sempre bandeira amarela.

Em Outubro fomos até à ilha da Boavista e ficamos no Riu Karamboa. O hotel é mais acolhedor que o da ilha do Sal, o vento (mais fraco que no Sal) era absolutamente necessário e bem-vindo. O pessoal também era muito simpático e sentimos-nos muito bem neste lugar. Não sei explicar, a disposição do hotel faz com que se esteja perto de tudo, da piscina, da praia, dos bares, dos restaurantes. A comida boa e com muita variedade. Também aqui o mar desiludiu-nos pois esteve sempre bandeira vermelha.

 Basicamente, já excluímos a ilha do Sal no nosso roteiro de férias e para o ano em Setembro( porque há voos directos do Porto)  iremos novamente para ilha da Boavista.

Apesar do clima ser muito bom e o tempo de viagem ser aceitável (4 hrs) fica a faltar a tal praia paradisíaca, o tal mar cristalino onde os miúdos podem brincar à vontade (Isto em Maio e Outubro, nos outros meses não sei). Assim, já andamos a planear uma ida às caraíbas para o inicio do ano...

Em Portugal fomos algumas vezes até ao Douro e ficamos sempre no Hotel Douro Scala. As instalações são porreiras e a piscina de água quente faz toda a diferença quando temos um puto de 3 anos, com distúrbio de personalidade, que pensa que é pato. O restaurante do Hotel é agradável e naquela região come-se bem praticamente em todo o lado. Visitamos o "castas e pratos" - com um serviço fantástico -  aliás um dos melhores restaurantes onde já fomos - e também e o "cacho d óiro".

Já me esquecia, fomos ao Oceanário e as nossas jornadas gastronómicas levaram-nos ao "solar dos presuntos" e ao "maison andaluz". Sem palavras!!!!! Excelente!!!!!




segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Como manter a sanidade mental em tempos de stress

Planear férias.

Para perto, para longe, não interessa.

Férias.

Hoteis, praias, aviões.

Orçamentos, acessórios, duração dos voos.

Pontes, fins de semana, faltas, vale tudo.

Sol, sol e mais sol.



sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Como deixar de perder tempo em coisas essenciais mas que não nos trazem felicidade


#1 - Aderir às compras online

 Perder tempo nos corredores do supermercado, aguardar dolorosamente nas filas par apagar, carregar tudo 2 andares acima???... Acabou!!! Só compro os frescos numa qualquer mercearia de passagem e  em 5 minutos!!!


#2 - Lavandaria

Passar camisas? Quem eu? Já foi tempo!!! As funcionárias das lavandarias, tão simpáticas, precisam de trabalho coitadinhas.


#3 - Talho

Ligo a encomendar e depois é só levantar (não confio na carne dos hipermercados)


# 4 - Fisioterapia

Na hora do trabalho, com justificação!


E agora perguntam?

E o que fazes com esse tempo poupado?

EU? Corro para consultas, hospitais e centro de saúde com a minha mãe.  Ás vezes consigo ir uma horinha ao ginásio.

Próximo objectivo: conseguir sentar-me no sofá por 10 minutos diários... Se calhar estou a pedir muito...


quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Saga: Nosso SNS # 2

O pessoal do Pedro Hispano revelou-se ser muito simpático, acessível e diligente. Nem tudo é mau, embora se excedam um pouco nas brincadeiras e conversas particulares entre eles, em termos de volume das gargalhadas, o que incomoda os doentes principalmente os que estão ainda no recobro a sofrer de dores e mal estar geral.

É que é suposto fazer silêncio ou o mínimo ruído possível num hospital.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Saga: o nosso SNS

Dou inicio a uma verdadeira SAGA  sem fim previsto: o desastre do nosso SNS.

Eu tenho tanta coisa para contar mas hoje deixo só esta.

O hospital Pedro Hispano mandou a minha mãe tomar as vacinas pré operatórias ao centro de saúde antes de lá regressar no dia seguinte.

Ou seja, levantou-se de madrugada para ir ao centro de saúde, esperar horas, e depois ir a correr para o hospital,  porque??? Não há enfermeiros no hospital que saibam dar vacinas???

Parece que não... Ou então os que lá estão não sabem colar a vinheta da vacina no boletim de saúde... Também pode ser isso: Uns só sabem dar injecções, outros só sabem colar vinhetas.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

É oficial

A minha mãe é doente oncológica.

E recebo a noticia ao seu lado enquanto ela em choque não processa bem a informação, fica meio confusa. Tenho que a confortar, acalmar, transmitir-lhe os pontos positivos (é de progressão lenta) e incentivar.

E passo as horas seguintes na sua companhia com  a maior das calmas sem demonstrar o turbilhão de sentimentos e pensamentos que me invadem por dentro, como se  o diagnóstico tivesse sido uma simples gripe.

E quando finalmente chego a casa, sozinha, no silêncio do entardecer, sento-me no sofá, o meu mundo desaba e choro perdida no tempo. Choro tudo ali na certeza que não poderei chorar nunca à beira dela. O medo, insegurança e incerteza apoderam-se de mim,  bem como revolta  e sentimento de perda num turbilhão de emoções que não percebo. E choro e deito tudo cá para fora.

E choro, e choro...

E depois acalmo, lentamente,  lavo a cara e saio para ir buscar o Eduardo à escolinha, como se o diagnóstico tivesse sido o de uma simples gripe.

Porque é assim que me vêm: forte e não posso perder a compostura para não se desnortearem.


segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Ansiedade

Esperas que, a qualquer momento, te liguem a dizer que o resultado da biopsia está pronto.

E tudo pode mudar de um minuto para o outro.


terça-feira, 6 de setembro de 2016

E é assim

Uma pessoa anda há meses ao jogo do empurra no SNS.

Todos os médicos dizem que é alarmante mas que "não é nada com eles". Chuta para aqui, chuta para ali e o tempo vai passando.

Uma pessoa passa-se, vai ao hospital privado, em dois dias tem a biopsia feita e aguarda duas semanas pelo resultado.


quarta-feira, 31 de agosto de 2016

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Ai e tal, que opinião tens sobre os médicos do SNS?

Era enfiá-los num saco com uns calhaus bem pesados atados aos pés, um cinto de betão na anca, uma gravata de chumbo ao pescoço, e atirá-los numa fossa oceânica.

Ai e tal não são todos iguais...

Pois não, perdão. Uns são incompetentes e outros muito incompetentes. Uns são desleixados e outros muito desleixados. Uns trabalham pelo status outros porque os paizinhos os obrigaram a seguir a profissão da família.




terça-feira, 23 de agosto de 2016

Comentário que vira post


Uma relação a dois é complexa. Quantos mais anos passam juntos mais especificidades tem e nenhuma é igual. Há casais que não juram fidelidade, por exemplo, e quem são os outros para os julgar?!

Há casais que vivem em harmonia sem sexo. Sim, pasmem-se!!! nem toda a gente vive em função do tesão até porque, alguns homens, pasmem-se, não têm erecção, assim como algumas mulheres não têm desejo sexual e não estão para fazer o frete apesar de amarem o marido e viverem felizes, saírem, conversarem, viajarem, pasmem-se: há vida para além do sexo.

Também há pessoas que sabem que são "traídas",(perdoem-me a frontalidade mas não percebo como uma pessoa não sabe que é traída), e nada fazem, pelos mais variados motivos. Quem são os outros para julgarem? Vão obrigá-los a divorciarem-se? Assim como há pessoas que de divorciam sem a causa ser traição...


A vida é complexa e ninguém, nem mesmo os filhos, se deve intrometer até porque já diz o outro " a ignorância é uma benção".


In Shiuuu sobre um filho que questiona se deve contar à mãe que é traída.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Olhar

Queria-te dizer tanta coisa, mas não devo.

Fujo com o olhar por receio que me denuncie. Que grite o quanto me afecta a tua rouquidão e murmure este impulso controlado de te beijar. Mas atraiçoam-me sempre que os fecho aumentando esta ânsia de ser tocada, de sentir o calor das tuas mãos na minha face e o desejo nos teus lábios.

Teimas em visitar-me de madrugada no silêncio da noite despertando em mim o ardor proibido e afagas-me entre carinho e desejo num jogo sedutor que me leva à loucura.

A tua voz acalma-me e o teu sussurro acorda a mulher esquecida e perdida num remoinho diário de afazeres sem fim e cansaço constante.

Inexplicavelmente sinto falta do que nunca me deste e sou percorrida pelas saudades do que nunca tive, mas desejo, num acto de delírio que me acalma e remexe em simultâneo.

Queria-te dizer tanta coisa, mas sinto que já sabes. Os teus olhos atraiçoam-te tal como os meus e dançam num tango silencioso e proibido.

Queria-te dizer tanta coisa, mas ficamos assim: em fuga.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Update

Pois que isto tem andado um bocado abandonado, é verdade!!!

Posto isto cá vão algumas "random novidades":

Mês e meio depois o Eduardo trocou os choros e gritos à entrada do infantário por corridas voluntárias e alegres até à sua salinha. Faz praia todos os dias nos meses de Julho e Agosto e isso ajudo-o a integrar-se com os restantes meninos;

A minha recuperação pós cirúrgia neurológica está a ser um sucesso e até já diminuí a frequência dos tratamentos. Ganhei uma qualidade de vida impensável, o que me leva a querer aproveitar bem todos os momentos,  a sair de casa, conviver, namorar, brincar com o meu filho, viajar, fazer muita praia. Coisas simples que só dá valor quem as perdeu em algum momento e agora as está a recuperar gradualmente;

O trabalho corre bem. Ninguém me chateia. Isto de atender ao público não era para mim. Prefiro serviço "administrativo" onde posso insultar o computador de vez em quando e estar "de trombas" à vontade sem ter que levar com caloteiros que julgam ter o rei na barriga e ainda ter que os atender com "um sorriso";

A minha sogra faleceu;

Vou de férias em Outubro;

Já estamos a planear as férias do próximo ano;

O meu gato está bem;

Aguardo o fim do mês de Agosto para poder visitar o IKEA;

No inverno vou fazer um peeling para eliminar cicatrizes e manchas;

Passei a usar frequentemente o continente online;

O meu marido está bem, mais falador e presente;

Estou viciada nos batons mate da KIKO;

Não me consigo livrar da "barriga";

Como diariamente papas de aveia e fruta e evito carne vermelha. Não dispenso a minha pizza semanal no italiano;

Não sei que fazer ao meu cabelo;



sexta-feira, 29 de julho de 2016

Idade

Meninas adolescentes - pré e pós - juventude em geral:

Quando se diz que na vossa idade tudo é permitido, exclui-se tacitamente o uso de calções entre o rêgo, em pleno shopping,  quando as vossas pernocas possuirem mais gordura que um hambúrguer da McDonald´s e mais casca de laranja que a própria da laranja.

O mesmo raciocínio se aplica  à barriga quando os vossos pneus fizerem inveja ao grupo Michelin.

 Ai  e tal está calor

me-nos, please, me-nos, quer-se dizer MAIS, MAIS TECIDO pf.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Não cozinhas, não limpas o pó, não sabes usar um berbequim. Para que serves tu? (não resisti)

Não cozinhas, não limpas o pó, não sabes usar um berbequim. Para que serves tu?

¬ Acho que sim. Não há de ser muito difícil.
¬ Por acaso é. É das coisas mais difíceis de passar a fer­ro, uma camisa. Mas pronto, achas que és capaz?
¬ Se é das coisas mais difíceis, por que é que me pedes para passar precisamente a camisa?
¬ Eu não te estou a pedir. Estou a perguntar se és ca­paz. Calculo que não, mas pergunto à mesma.
¬ Isto parece conversa de malucos.
¬ Eu é que estou a dar em maluca ao ver a quantidade de coisas que tu não sabes fazer. Comecei pelas simples. Já vi que não sabes. Pode ser que sejas bom nas complicadas.
¬ Já te disse que não sei passar a ferro.
¬ Não. Tu disseste que não sabes passar T-shirts nem calças. E quando te perguntei se nunca tinhas aprendi­do, ficaste ofendido. Ora, as calças de ganga devem ser a coisa mais simples de passar a ferro. Mas fácil do que is­so, só se for um lençol. Mas tu, nem isso.
¬ Lembra-me por que é que estamos a ter esta conversa.
¬ Porque namoramos há quatro meses, tu tens mais de 40 anos, já foste casado e eu nunca te vi a mexer uma palha em casa. E agora achei que era boa ideia esclare­cer o assunto.
¬ Porquê agora?
¬ Porque ontem voltaste a falar em vivermos juntos.
¬ O que é que uma coisa tem a ver com a outra?
¬ Deves estar a brincar. Gosto muito de ti, mas achas que vou meter em minha casa uma pessoa que não sabe cozinhar? Que não passa a ferro, não limpa o pó…
¬ Mas tu queres um namorado ou uma empregada?
¬ Eu quero uma pessoa com quem possa partilhar tare­fas. Também quero partilhar a vida, a cama, as refeições, rebeubéu, pardais ao ninho. Isso é tudo muito bonito. Mas tem de ser alguém que se mexa.
¬ Já sabias que não sou muito prendado nas lides da casa.
¬ Eu já sabia que és um menino e que nunca fizeste na­da em casa porque a tua mãe, as tuas irmãs e a vossa em­pregada faziam tudo. Tu e o teu pai eram uns lordes. Mas não sabia que tu nem sequer sabes estrelar um ovo. Pen­sei que não gostasses muito. Mas na verdade não sabes.
¬ Nunca precisei. E vais ficar chateada comigo por causa disso?
¬ Chateada? Eu?! Não. Vou é pensar trinta vezes antes de me meter na aventura de viver contigo. Tu é que es­tás habituado a criadas, não sou eu.
¬ Não sei passar camisas, mas sei fazer outras coisas.
¬ Ah sim? Então quais, ó senhor homem? Estás a fa­lar de bricolage? O que é que tu sabes fazer? Sabes mu­dar uma torneira?
¬ Não, isso não. Para isso chamo um canalizador.
¬ E usar um berbequim? E fazer uma puxada de luz e montar uma tomada? E tapar uns buracos na parede para a pintar? Sabes? Se me vais dizer que és um artista a mudar lâmpadas, eu vou-me rir. Porque isso faço eu. Isso e as outras coisas todas. E também escusas de dizer que sabes aparar a relva porque eu não tenho quintal.
¬ Sei tratar do carro. Sabes fazer isso?
¬ Tratar de um carro? Correias de distribuição, folgas nos foles, ignição, discos de travão…? Isso não conta para o currículo de casa. Para isso vou a um mecânico.
¬ Estás mesmo a ponderar o nosso futuro em função do que eu faço em casa?
¬ Estou. E se outras mulheres fizessem o que eu estou a fazer, poupavam muitos dissabores. Para tua informa­ção, sintonizar os canais da televisão e garantir que es­tá tudo bem com o wi-fi não é grande ajuda hoje em dia.
¬ Se calhar devias queixar-te à minha mãe.
¬ Eu? Tu é que devias. E agradecer-lhe pela educação que não te deu. Ao menos sabes ir às compras? Escolher fruta. Comparar preços? Ver a melhor carne?
¬ Não.
¬ Então, além do sexo e de perceberes de música e de cinema, tu serves para quê, ao certo…?


[Publicado originalmente na edição de 25 de janeiro de 2014]


Leia mais: Não cozinhas, não limpas o pó, não sabes usar um berbequim. Para que serves tu? http://www.noticiasmagazine.pt/2015/nao-cozinhas-nao-limpas-o-po-nao-sabes-usar-um-berbequim-para-que-serves-tu/#ixzz4F9CuL9Q4
Follow us: @NoticiasMagazin on Twitter | noticiasmagazine on Facebook

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Há dias em que mais vale não sair da cama

Uma gaja não dorme nada porque o miúdo está constipado e não consegue respirar (obrigada S. Pedro).

Uma gaja tem que aguentar o mau humor do chaválo e suas birras matinais enquanto conta historinhas para o distrair. Era uma vez um triangulo que queria ir para a praia mas estava a chover e não podia e então resolveu ligar ao quadrado e  combinaram ir ao shopping e blá blá blá e ni ni ni  e ti ti ti ...

Uma gaja tem o puto a massacrar-lhe a cabeça em modo replay : não- que-ro- ir- prá- es-co-li-nha, não- que-ro- ir- prá- es-co-li-nha, não- que-ro- ir- prá- es-co-li-nha, não- que-ro- ir- prá- es-co-li-nha

E uma gaja entra em modo inspira-expira, inspira-expira, inspira-expira...

E uma gaja sai de casa e está a chover torrencialmente e mal sai do carro, à porta do infantário, mete a sua delicada sabrina numa poça de água e fica com o pé encharcado e o frio sobe pela espinha acima. Abre o guarda chuva e  tem uma mão a segurá-lo e outra a tentar tirar o  puto da cadeirinha e o guarda chuva está quase a levantar voo e está ali outra poça que me impede de aproximar muito do miúdo e chove a cántaros, e ainda são 8h10 da manhã, e apanha ali a mochila do rapaz mas tens uma mão no guarda chuva e outra no miudo e óh caralho que chove muito e o puto faz birra ao portão que não quer entrar e continua a chover e ele chora que não quer entrar e só me apetece berrar e ainda são 8h10 da manhã... e uma gaja entrega o miudo faz inversão de marcha e vai para o trabalho, apanha outra molha para entrar e quando chega à secretária olha lá para fora e... já não chove...

E uma gaja tem a cabeça a doer de tanto não- que-ro- ir- prá- es-co-li-nha, não- que-ro- ir- prá- es-co-li-nha, não- que-ro- ir- prá- es-co-li-nha, não- que-ro- ir- prá- es-co-li-nha e tem os pés encharcados e o cabelo feito num ninho.

E a malta começa a perguntar como está a senhora e eu respondo: está a melhorar mas no fundinho penso: rais parta a velha que está para morrer e nunca mais morre e eu tive que cancelar as férias e perdi uma pipa de massa e a velha que estava quase a morrer afinal não morre e ainda vou eu primeiro que ela e deixem-me em paz que eu tenho mais em que pensar, e quem não vai de novo tem que ir de velho...

E uma gaja entra em modo inspira-expira, inspira-expira, inspira-expira...

E ainda são 8.30 da manhã.

E uma gaja entra em modo inspira-expira, inspira-expira, inspira-expira.

E pronto, vou começar a trabalhar.



segunda-feira, 13 de junho de 2016

Da velhice

As pessoas vão envelhecendo lentamente e a conversa é sempre a mesma, coisas dos vizinhos, histórias antigas... E a sua companhia torna-se maçadora, são chatas, a conversa entra por um ouvido e sai por outro.

Depois envelhecem mais um pouco e já ouvem mal para quê estar ali com conversa da treta se temos que repetir tudo 3 vezes, que chatice, o melhor é lá ir de vez em quando.

E assim se diminui a frequência do convívio.

E o tempo passa.

E passa.

E passa.

Até que cai numa cama de hospital. Já não ouve, já não se percebe o que diz mas como está numa cama de hospital já se vai para lá segurar na mãozinha para que a sociedade não pense que está abandonada, um dia, dois dias, três dias... os que forem preciso porque não fica bem deixá-la ali sozinha.

E a minha questão é só uma: porque não ter feito o "sacrifício" enquanto a pessoa estava em condições mentais de saborear a presença alheia e guardar na mente essas imagens, em vez de fazer sala obrigatória quando já nem se reconhece quem lá está?


quinta-feira, 9 de junho de 2016

Segurem-me que não me responsabilizo pelos meus actos

O Eduardo, quase a fazer os 3 anos, entrou este mês para o infantário. Por muito motivos que não me apetece explicar.

Todas as manhãs é o mesmo ritual: chora e grita e berra. E uma mãe fica de coração partido e com vontade de o enfiar dentro da nossa barriga outra vez numa tentativa de protecção máxima.

Hoje disse-me que há um menino que lhe bate, que lhe faz doí doí.

E eu fico cega de raiva e sobe uma coisa por mim acima que não sei explicar. Chego ao infantário e o meu filho desata aos berros desesperado e eu digo-lhes o que se passa.

- É o Luís -  diz a auxiliar e outra mãe presente também confirma que a filha se queixa dele. E volto a ser possuída por uma raiva e ânsia de encontrar esse puto e enfiar-lhe dois bananos naquelas fusas, segurá-los pelos colarinhos e dizer-lhe:

"ouve lá seu filho da puta se voltas a aproximar-me do meu filho eu mando-te para o hospital e aos teus paizinhos também porque não te sabem dar educação!"

Pronto. E é isto. Estou  aqui a ferver, anda uma mãe a criar um filho meigo para ele ter que conviver com canalha irrequieta e bruta.

Já lhe dei conselho de mãe: filho, quando te baterem tu bates também, mas com força, MUITA força. A mãe não ralha, não faz mal.

...

E uma pessoa escolhe um infantário 100% privado onde nos levam couro e cabelo, todo cheio de não-sei-quês, a pensar que estamos a proteger o nosso filho desses vândalos, selvagens sem maneiras e vai-se a ver e afinal há putos violentos e mal educados em todos os lados. Nada que eu já não soubesse, mas é daquelas coisas que queremos acreditar que só acontecem aos outros.

E agora? para começar logo vou perguntar à educadora que caralho andam lá a fazer que não metem o chavalo na linha e porque o deixam ser agressivo para os outros meninos!!!

Estou furiosa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


sexta-feira, 3 de junho de 2016

Comentário que vira post - os conselhos de não violência passaram a crime??? a taróloga que aconselha o amor é uma bruxa má???

Facto: uma taróloga da televisão aconselhou uma senhora vitima de violência domestica há 40 anos a dar amor ao marido e a não provocar com violência. A vitima tinha ligado para o programa para saber SE O MARIDO TINHA UMA AMANTE (e não se seria o momento ideal para o deixar ficar ou coisa que o valha).


Vamos lá ver uma coisa: não é preciso "ver nas cartas"para saber que a espectadora abusada há 40 anos não vai denunciar o marido nem deixá-lo. Se tivesse tido condições, monetárias ou emocionais, e CORAGEM já o teria feito há muito tempo. Não é agora que a vida dela vai mudar porque isso implica tomar uma atitude e claramente não o vai fazer. É submissa, de outra geração, e pronto a taróloga não tem culpa
.
A taróloga não cometeu nenhum crime. O criminoso é o marido da senhora e ela é conivente porque não o abandona porque não quer. Ponto. O DIVORCIO É LEGAL EM PORTUGAL!

A taróloga aconselhou-a a não ser violenta. Correcto. O que queriam que ela dissesse: "olhe, atire-lhe com a panela de pressão à cabeça"?!

Se durante 40 anos a senhora não tomou uma atitude não é porque agora estranhos na tv ou na net lhe digam "abandone-o, faça queixa à policia" que o vai fazer.

Já estou um bocado cansada desta história de coitadinhas e tal. Há pessoas que esperam que sejam os outros a resolverem os seus problemas. Porque não se separou? Porque não quis. Ponto.

A senhora deve ter ficado toda satisfeita por saber que o marido não tem outra porque essa é que era a dúvida existencial que a perturbava...

sexta-feira, 20 de maio de 2016

De nascença

Dizia eu que a maternidade/paternidade estupidifica-nos mas há pessoas que já nasceram assim:

Estúpidas por natureza.

São aquelas que só olham para próprio umbigo e pensam que o mundo gira em torno delas e que os demais lhes devem vassalagem.

Até os animais na selva são mais civilizados pois sabem que na natureza há regras.  Sim, porque um hipopótamo sabe que não pode voar e assunto encerrado. Mas se o hipopotamos fosse estupido por natureza só descansaria após incomodar meia selva  e pôr outra meia a estudar um meio de lhe transplantar umas asas ou enfiá-lo num avião da Ryanair (com bilhete só de ida).

Estas pessoas estúpidas por natureza conseguem tirar 2 tipos de reacções:

 - Coitadinho! Faz-lhe lá a vontade, desvaloriza porque é um infeliz e esqueceu-se de tomar a medicação hoje;

- Olha-me este grandessíssimo filho da puta! Este marmanjo armado em carapau de corrida deve ter traumas de infâncias mas eu assapo-lhe já duas lambadas naquele focinho que ele baixa já a bolinha.


Conviver com gente estúpida por natureza:

- É muito difícil e só deve ser suportado por pessoas que tenham um karma muito pesado fazendo desse convívio forma de desenvolvimento nesta vida terrena e espiritual.


quinta-feira, 5 de maio de 2016

Conclusão

 A maternidade estupidifica-nos.

Basicamente por excesso de zelo...

... E pelo orgulho desmesurado que nos põe os olhos a brilhar e um sorriso rasgado na cara a cada nova etapa e conquista dos nossos rebentos...

... E pelo medo de falhar, seja por falta de tempo ou paciência...

... E pela cegueira que os torna sempre perfeitos e frágeis. Frágeis, eles serão sempre frágeis...

... E pelo receio que o mundo seja injusto e os magoe e o nosso colo e beijinho no doí-doí seja inútil...

... E... somente por amor verdadeiro.







segunda-feira, 4 de abril de 2016

Desabafo

Sinto-me prisioneira de mim mesma.

Das minhas opções.

Isto de ser mãe é viver em função de uma criança, que não avisa com antecedência quando vai ficar doente, que temos a obrigação moral de educar e fazer feliz, nem sempre sendo fácil. Confesso: é cansativo! Não tanto pelo miúdo porque, segundo diz quem conhece crianças, é um santo. Mas mais pela correria de ter horários para cumprir e as tarefas em casa que parecem nunca mais acabar.

Isto de ser esposa de alto cargo implica ausências que não sei se financeiramente compensa  pois o dinheiro não é tudo na vida.

Na tentativa de uma recuperação neurológica e numa corrida contra o tempo faço fisioterapia especifica que me "rouba" 4 horas por semana e ginásio que leva outras três. Isto implica uma constante gestão de horários entre mãe, marido e ama.

Na hora de almoço pouco tempo tenho para comer. Preciso levar o miúdo à ama e regressar ao serviço, onde pico o ponto, tudo numa hora.  Cansa! Mas faço isso para atrasar a integração no infantário até aos 3 anos para evitar as doenças e mais doenças que de lá vêm porque o meu filho é "esponja" e apanha tudo que é vírus (por isso o tirei do infantário após 9 meses de martírio e doenças que nunca mais acabavam).

Básicamente as minhas opções estão a ditar o meu cansaço, minha fadiga, o meu mau humor.

E o que posso mudar? Bem, precisava que o dia tivesse 36 horas. Que a minha empregada tivesse disponibilidade para ir lá a casa mais vezes, e não tem e eu não quero estranhos lá em casa. Precisava que esta pressão para melhorar fisicamente abrandasse. Precisava de melhorar efectivamente. Ir para um SPA também deveria ajudar, mas não tenho tempo e mesmo que o arranje duvido que consiga lá estar relaxada sem me sentir culpada de ser má mãe porque abandonei o miúdo para ir relaxar.

Resumindo: estou cansada. Como muitas mulheres por aí fora. Cá nos vamos aguentando, que remédio!


sexta-feira, 1 de abril de 2016

Coisas que me metem confusão

Ver pais e mães a passearem com filhos, neste frio de rachar, de gola alta e cachecol e os miúdos de camisa e peito/pescoço/cabeça completamente destapados.

Confusão, muita confusão... e não me refiro quando os miúdos estão a correr ou a brincar no parque mas sim quando passeiam de mão dada com pais na marginal.



terça-feira, 29 de março de 2016

Anda tudo tolo ou eu é que não tenho paciência para estas irresponsabilidades?

Vi 5 minutos de telejornal ontem à noite.

Foi noticia a operação de resgate/salvamento de um grupo de jovens, com idades compreendidas entre os 19 e 25 anos, que decidiu acampar beira rio em pleno alerta amarelo. Eu não sei o que é pior:

- Se a irresponsabilidade daquelas pessoas que já têm idade para ter juízo e conseguir avaliar os riscos inerentes;

- Se o facto daqueles jovens não terem familiares sensatos que os aconselhassem a não acampar debaixo de chuva torrencial devidamente prevista;

- Se os gastos públicos usados na operação de resgate, que todos vamos pagar;

Obs: Era o quarto ano consecutivo que acampavam naquele sitio.


Já não é a primeira vez que ouço noticias destas. De malta que vai para os trails e mais-não-sei-o-quê subir montes e escalar rochas debaixo de verdadeiras intempéries devidamente previstas. Oh pá, se a malta quer ser radical que esteja à vontade, mas depois quando se virem aflitos que se amanhem, que aguentem, que não ponham a vida de outros em perigo para os ir salvar, simplesmente porque lhe apeteceu ser irresponsáveis.

Comigo era apresentar-lhes uma multa por irresponsabilidade e uso indevido de meios de salvamento público que poderiam estar a fazer falta a pessoas necessitadas por acidente não previsível.

Tenho dito!

quinta-feira, 24 de março de 2016

Mudanças alimentares

Consumo de carne vermelha reduzida para uma vez por semana.

Aumento da ingestão de peixe, atum, polvo e ovos.

Sopa de segunda a sábado.

Doces só ao fim de semana.

Café sem açucar,

Introdução de cereais: bagas boji, sementes de linhaça e chia.

3 peças de fruta/dia.

Porquê? Porque não?


sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Eu achava que era uma gaja moderna

Eu achava que era uma mulher desinibida e sem qualquer tipo de pudor ou vergonha no que respeita a tracto com homens.  Nunca tive problemas em ser observada clinicamente por médicos ou enfermeiros e falo de problemas femininos com abertura e á vontade.

Ontem resolvi passar num cabeleireiro que existe perto da clinica de fisioterapia para tirar o buço. Nunca lá tinha entrado, nem entrei! À medida que me aproximava da porta fui reparando que o profissional era homem. Nunca me tinha acontecido. Não que tenha qualquer problema em ter um homem a cortar ou pintar-me o cabelo, mas a TIRAR-ME O BUÇO?  Pareceu-me intimidade a mais. Não consegui imaginar a cena e pus-me em andamento virando rapidamente  para a direita e por pouco não fui contra a coluna do prédio. Acho que disfarcei bem e ninguém se apercebeu de tal manobra acrobática digna de artista de circo, até porque estava a chover e andava pouca gente na rua. 
Foi a minha sorte! Menos uma vergonha.


E o buço, vulgo bigode, continua aqui porque prefiro fazer um papanicolau com um elemento masculino a ser depilada por esteticista homem.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Ai e tal eu quero muito ser mãe

Ao contrário de mim, há mulheres que sempre tiveram o desejo de ser mãe e não imaginam um casamento sem filhos.

O primeiro filho nasce e é vê-las radiantes a enfeitar a criança com roupa de marca e totós e lacinhos e perfuminho e coisa e tal. Depois é vê-las depositar o rebento às 7 da manhã na avó e ir buscá-la às 20.30h já com banhinho tomado e um saquinho com a sopa e o jantar preparado, é só aquecer. Vão de férias em casal e já estão a tentar engravidar do segundo.

Pois eu não entendo:

- quando é que estão com os filhos?

- se não têm tempo para estar com eles durante a semana devido ao trabalho porque vão de férias sem eles?

- se é para serem os avôs a criar os netos porque têm filhos?

- porque querem o segundo se nem com o primeiro estão?

Desculpem mas eu não percebo.




domingo, 10 de janeiro de 2016

Dúvidas existenciais

Que esperam estas alminhas de uma caminhada no monte, debaixo de alerta laranja?

As esposas com tanta roupa para passar em casa...