sexta-feira, 21 de julho de 2017

Comentário que vira post – Mães são humanas e não robots

Pois, as pessoas ainda teimam em incutir que a maternidade é fantástica, que é um mar de rosas.

Não, não é. Não ,24 horas por dia, não, a todo o momento! É sim muito exigente, física e psicologicamente. E não, mãe não é igual a pai. Eles não sofrem no parto, não desesperam com a subida do leite, não "endoidecem" por falta de descanso nem têm as hormonas descontroladamente aos saltos.

Felizmente tive uma amiga, mãe de dois, que me disse que era permitido chorar, desesperar. Ela disse-me, em baixinho, que os primeiros tempos iam ser difíceis, que o período de adaptação a uma nova vida e rotina (ou falta dela) seria complicado. Transmitiu-me que é normal sentir frustação e impotência.

E mais importante de tudo ela disse: “é normal! Tens que chorar, deitar tudo cá para fora, depois lavar a cara, erguer a cabeça e enfrentar tudo com o pensamento que é uma fase e vai passar. Somos humanas”.

Acho que foi com esta mensagem que superei o desgaste emocional dos primeiros meses de maternidade.

Uma coisa é o amor que sentimos pelo nosso filho. Outra coisa é o sentimento em relação á maternidade propriamente dita. É possível amar os nossos filhos e detestar todas as responsabilidades e exigências diárias esgotantes que a maternidade acarreta!

Sim, eu amo o meu filho mas nem sempre adoro ser mãe.